As mentiras de "O nome da rosa"

Por Agustí Fancelli 



“Tinha vontade de envenenar um monge”. Essa foi a razão de peso que Umberto Eco diz em suas Pós-escrita a O nome da rosa sobre os motivos que o impulsionaram a publicar, três anos antes, em 1980, seu grande romance histórico. Anteriormente o professor de semiótica da Universidade de Bolonha havia escrito apenas ensaios – alguns com muito êxito, como Obra aberta, Apocalípticos e integrados ou Lector in fabula que seus discípulos leram com fruição.

O nome da rosa se converteu de maneira fulgurante num Best-Seller. E de alguma maneira o admirado professor deixou de ser patrimônio daqueles estudantes para abraçar o grande público. Não nos surpreendeu: sabíamos de sua extensa habilidade para ir de São Tomás de Aquino a Snoopy, do Superman a Joyce, do Beato de Liébana a Agatha Christie e Mafalda passando por Gertrude Stein, os irmãos Marx e a música de Luciano Berio ou John Cage. Um tipo assim estava chamado a sair dos limites da aula.

Confesso, entretanto, que nos surpreendeu depois daquele boom a escrita das Notas. Depois de nos empapar com seu Lector in fabula não havíamos visto que o autor era o leitor menos adequado para falar sobre sua obra, o mais suspeito, ao possuir uma informação inacessível ao leitor comum? Não devia o autor morrer depois de publicar para que fora o texto, essa máquina sempre preguiçosa, quem falasse depois de por ela interrogada fosse o leitor? Sim, havíamos visto isso, e precisamente por isso estavam aí as Notas: para confundirmos uma vez mais e convidarmos a não acreditar nunca no autor.

Esse opúsculo, de fato, está cheio de mentiras jocosas. Mas também contém uma verdade que talvez interesse aos leitores. Trata-se de uma das melhores definições que podem encontrar-se sobre o romance histórico. Eco distingue três formas de narrar o passado. Uma é copiando o passado como mera cenografia ou pretexto para dar forma solta à imaginação, ao modo de Tolkien. Suas personagens poderiam fazer o mesmo em qualquer outro tempo e espaço e a narração não se abalaria. Uma segunda maneira é utilizar personagens reais, que poderiam fazer o que fazem embora isto seja inventado, juntamente com outras personagens fictícias que, em troca, poderiam ter atuado como atuam em qualquer outro tempo e lugar. É o caso de D’Artagnan e Richelieu no romance de Dumas. A terceira possibilidade é a do romance histórico propriamente dito: não faz falta que as personagens sejam reais, mas sim que tudo que o façam e digam seja o que haveriam dito e feito se tivessem vivido naquela época. É sem dúvida o caso de O nome da rosa.

cena do filme adaptação de O nome de rosa

Eco cria uma Idade Média perfeitamente real, perfeitamente medida inclusive em detalhes como a distância que pode haver entre o hospital e a biblioteca de sua misteriosa Abadia, cujo nome – e situação geográfica – o autor prefere não saber. Guillermo de Baskerville e seu bom discípulo Adso de Melk, que é quem narra a peripécia, pertencem inteiramente, a essa época, embora a intertextualidade – e especialmente o excelente filme de Jean-Jacques Annaud sobre o romance – nos permitam identificar relações do primeiro com o Agente 007 do MI5 a serviço de sua Majestade, a Rainha (que grande Sean Connery no papel!).

E por que a Idade Média? “Escusado será dizer que todos os problemas da Europa Moderna, tal como hoje sentimos, se formam na Idade Média: desde a democracia comum até a economia bancária, desde as monarquias nacionais até a cidades, desde as novas tecnologias até as rebeliões dos pobres... A Idade Média é nossa infância”, diz Umberto Eco nas Notas. Fica suficientemente claro que Eco mente jocosamente ou pelo menos não nos conta toda a verdade quando afirma que escreveu O nome da rosa para um monge?

Como também mente quando nega a emoção ao protagonista Guillermo de Baskerville. Apenas há que repassar como, depois das fabulosas sete jornadas transcorridas na Abadia, se despede de seu discípulo dando-lhe conselhos para seus estudos futuros e dando-lhe os óculos, para descobrir toda a nostalgia do velho professor por uma educação distante da pressa, a titulitis e a massificação, solitário caminho moral a percorrer com esforço e vontade. Embora, isso sim, sem esquecer nunca a ironia. As páginas dedicadas à discussão entre franciscanos e dominicanos sobre a pobreza de Cristo e a que deveria observar a Igreja são hilariantes em virtude dos sofismas imperfeitos e grossos insultos: um inteligente late-show em pleno século XIV! Nas aulas de Eco, nos seus livros sempre há um momento em que você se desloca: o conhecimento é para ele uma festa gozosa.

A grande mentira por fim é mesmo o título do romance. A rosa está tão carregada de significados – míticos, místicos, poéticos, estéticos, políticos e econômicos – que finda por não querer dizer nada. É puro nome, como é no verso de Gertrude Stein: “Uma rosa é uma rosa é uma rosa...” É necessário mergulhar-se nesse nome voluptuoso, neste grande romance, e desfrutá-lo. Vale a pena.

* Esta uma versão livre para "Las mentiras de El nombre de la rosa", publicado no jornal El país.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Companheiros de viagem: J.R.R. Tolkien e C.S. Lewis: "O dom da amizade", de Colin Duriez

Os últimos dias de Thomas Mann

Boletim Letras 360º #287

“Andávamos sem nos procurar”, o filme de “O jogo da amarelinha”, de Julio Cortázar

O Estrangeiro, de Albert Camus

Não escrever: breve ensaio sobre a impossibilidade

Boletim Letras 360º #286

J. P. Donleavy: Um safado em Dublin

O Incêndio de This Is Us e Manchester à Beira-Mar na poesia brasileira