Vulgata romântica

Johann Henrich Füssli

Ao martirológio dos suicidas me junto eu
Por drama por tolice estou
O infortúnio, a fatalidade dos desgraçados
Arraigam a pele, come a carne humana

Bate o coração morto-vivo num peito inerte
Dum homem abatido pelos seus ideais
Três ou quatro razões
Capazes de levar-me desse chão
Ao abandono voluntário da existência

Que resta de mim em essência
Tão poucas razões travadas num colóquio constante
Entre felicidade e infelicidade dum pobre diabo
Que raro adega a ter de voltar a cabeça
Ao estrondo seco dum tiro
Esmigalhando um crânio com prazo de validade corrido

A vida acabou-se num fialho de sangue
Desfez-se o homem audacioso e o homem paciente
Eles eram prova de qualquer coisa
Nomeadamente de um sentido:
A ausência dele


* Acesse o e-book Palavras de pedra e cal e leia outros poemas de Pedro Fernandes.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Companheiros de viagem: J.R.R. Tolkien e C.S. Lewis: "O dom da amizade", de Colin Duriez

Os últimos dias de Thomas Mann

Boletim Letras 360º #287

“Andávamos sem nos procurar”, o filme de “O jogo da amarelinha”, de Julio Cortázar

Não escrever: breve ensaio sobre a impossibilidade

O conto inédito de Ernest Hemingway que narra a libertação de Paris do nazismo

Boletim Letras 360º #286

J. P. Donleavy: Um safado em Dublin

O Estrangeiro, de Albert Camus