Fotograma feito de sertanices




Quatro 1: espelhos do sertão 

Já acena este agosto – o principia
De suas tragédias ou de suas alegrias
Muito do seu de narrativa
Em curtos capítulos
Componho-o em versos
Que juntos o chamo de poema

Com um feixe de poemas que
Intimamente conversam comigo
Toda vez que os leio ou releio
Tento pintar em quadros espelhados
O que há anos inspirado em matéria de memória
Chamo de sertanices.

Quadro 2: invenção do sertão

Muitos dos episódios que se desdobram
Se revelam, enovelam, empoetizam-se
Na pureza e no lirismo da paisagem sertaneja
Afinal são sertanices.

Porque o sertão em seu enlevo encantatório
Define-se em poesia por si mesmo –
Com o seu destino, seus homens,
Suas raízes, suas lembranças.

Quadro 3: sertanices

O sertão que me vêm à memória
Perambula do mais amplo horizonte imaginável
Perpassa por figuras algures
E emerge pela rachadura das palavras
Desfraldadas em closes enigmáticos
Que juntas chamo de sertanices.

Um arquétipo colossal
Do escape por um triz
Da queda destas memórias em palavras
A surgir do nada misteriosamente
Entre o escuro e o esplendor
A coragem, o incomum são sertanices.


* Poema inédito do livro Sertanices. Acesse o e-book Palavras de pedra e cal e leia outros poemas de Pedro Fernandes.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Sophia de Mello Breyner Andresen, “um tumulto de clarão e sombra”

Um tesouro chamado Yasunari Kawabata

Machos nus: Walt Whitman, José Martí e Thomas Eakins

Philip Roth, agora mesmo começam outros círculos

Manual de instruções para ler Lolita

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Boletim Letras 360º #272

O fracasso de escrever

Hilda Hilst e o inominável das palavras