Os úberes do infinito, de R. Roldan-Roldan

Por Pedro Fernandes




Lembro que certa vez, nalguma post dos que por aqui já pus a circular ter falado acerca de minha atração por fuçar curiosidades nas bibliotecas. Faz cerca de um ano, acho que isso, se não me engano, faz mesmo dois (a mim me parece que foi quando me encontrei com a obra de José Saramago pela primeira vez) que eu encontrei um sujeito chamado por R. Roldan-Roldan. O livro era Os úberes do infinito – uma obra que, nossa!, transpira poesia por todos os poros da palavra. Encantei-me. Pesquisei mais e descobri mais coisas do autor na pequena biblioteca da Universidade. 

Li Ao sul do desejo. Passei a vista por Carta a uma mulher separada e Azeviche ou Nossa Senhora do Sagrado Sexo. Bem, surpresa tive quando numa roda de sorteios feita num sarau com leitura de poemas na faculdade estava o livro primeiro que li de R. Roldan-Roldan, doado por outro poeta (em breve falarei dele) Leontino Filho (que me orgulho de tê-lo como mestre, orientador e etc. e tal). E arrumando minhas primeiras bagagens para voltar do exílio que estive quatro anos para cursar faculdade em Mossoró, dou de cara com Os úberes do infinito (vê-se que ganhei o livro do Roldan-Roldan naquela noite). E é sobre esse livro e sobre R.Roldan-Roldan que quero falar hoje nesta post. 

Fuçando na web – vou logo ao site Jornal de Poesia – de outro grande poeta – o Soares Feitosa (quanto tempo que não escrevo para ele, nem dele recebo mais nada!) encontro alguns elementos biográficos desse sujeito que vale a pena ser lembrado: Roldan-Roldan nasceu na Espanha, foi criado no Marrocos e passou sua educação na França. É radicado no Brasil. Teve uma infância conturbada: separou-se dos pais durante o pós-guerra devido à perseguição política. Tornou-se empregado numa empresa de transporte aéreo e, com isso viaja pelo mundo. 

Numa dessas viagens, um marco em sua vida, é detido por engano no Afeganistão, país que o marcará para o resto de sua existência. Em 1996, já gerente de uma multinacional e com três filhos, abandona absolutamente tudo para dedicar-se à literatura. Come o pão que o diabo amassou. Mas, coerente e liberto, assume seu destino e sente-se finalmente digno e em paz. É autor de mais de 20 livros publicados. Os 5 primeiros (3 na França e 2 no Brasil) são por ele destruídos depois de editados e não constam de sua bibliografia. Sua obra, que abrange romance, conto, poesia e teatro, vai aos extremos. Como sua vida. Com a qual se confunde. Da paixão ibérica, do ceticismo gaulês, do solo islâmico e da sensualidade tropical surge a cor intrínseca de sua identidade, obsessão e tema principal de sua obra.




"Os úberes do infinito" é o nome também da primeira parte do livro, formado ainda por "Pelas frestas do silêncio", "Definições", "Litania da virada do século", "Quatro orações" e "Três cores". O que fica premente da leitura é renovação da linguagem (instrumento tão caro à poesia depois das vanguardas, sim, sempre acreditamos na impossibilidade de qualquer coisa mais ousada depois das vanguardas). Mas, atenção!, o livro de Roldan-Roldan não pratica malabarismos com a linguagem; é um exercício acurado de desobediência da palavra polida pela palavra escrachada. Uma conjunção que, os iludidos com a forma simples da língua, há-de chamar isso que se apresenta, em alguns casos (não em Os úberes), de pornográfico, em outros, de indecifrável. O epíteto, creio não faria mal à obra, sobretudo, porque, o poeta tem consciência plena do sublime da palavra e não pratica regurgitos de palavreado fútil. É tudo muito bem assustado, singelo e plenamente bem gerido. Diante da incapacidade de dizer mais, deixo o poema falar. Seleciono um poema das três primeiras partes do livro.

De "Os úberes do infinito"

Estendido sobre o algodão dos sonhos
em tardes vestidas de chuva
diluo o ego em palácios de penumbra
lácteo prazer que por fissuras ancestrais
pontua o sabor de identidade
lapidando transparências que mentem
ocultando verdades opacas que transpiram luz
verde ou azul sagrados códidos
que me acendem milênios
fecho de constelações
adormecidas em longínquas memórias
buscando o ritmo do eterno
em brechas esquecidas pela rapidez
humildes lampejos de lucidez
na vastidão da gangrena
pulsando
vida 
ser
cumes por alcançar abismos por preencher
êxtases de comunhão universal.


De "Pelas frestas do silêncio"

No corte transversal
a lei do revezamento
desmente o absoluto


De "Definições"

Amizade,
fator circunstancial


De "Litania da virada do século"

I
A Palavra segregada pela imagem
desterra-se nas savanas do inexistente
o Verbo se faz deserto
mergulhando no Nada
sentimentos racionados
o Céu esvazia-se
nem sequer um deus de segunda mão
nem ao menos um anjo caído
a Papoula costura suas pétalas rasgadas
a Azinheira cola seus galhos
ouve-se o Buxo uivando a seiva derramada
a Amendoeira recolhendo suas últimas flores
o Plátano tossindo tísico
o passo ferido do Coala
e tu carne caolha de matadouro
otimista alienado
fantoche satisfeito
continuas consumindo a mentira imposta
manipulando
Ergue-te!
Contesta!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Carolina Maria de Jesus, a escritora que catava papel numa favela

20 + 1 livros de contos da literatura brasileira indispensáveis

José Saramago e As intermitências da morte

José Saramago e Jorge Amado. A arte da amizade

Cecília Meireles: transcendência, musicalidade e transparência

Sor Juana Inés de la Cruz, expoente literário e educativo do Século de Ouro espanhol

Visões de Joseph Conrad

Ensaios para a queda, de Fernanda Fatureto

Os diários de Sylvia Plath

Boletim Letras 360º #246