Do silêncio






Tá vendo o silêncio entre nós?
São crateras assassinas que se abrem
se dilatam para nós...

Ouve o silêncio,
o que ele quer dizer?

Traduz num olhar o silêncio
desse nosso olhar!

Vês! São como fossos
se descortinam à nossa frente,
o que dele faremos?

Joguemos palavras para aterrá-lo
mesmo que monossílabos
mesmo que a batida e velha frase "quebremos o silêncio"...
Façamos algo!

Esse silêncio...
Ah! Não tenha dúvidas
é o que há de mais cruel entre nós.

Tenho medo em teu silêncio
desse nosso silêncio.


* Publicado inicialmente no Portal Overmundo. Acesse o e-book Palavras de pedra e cal e leia outros poemas de Pedro Fernandes.

Comentários

Anderson Cádor disse…
quando o passado é presente...

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Companheiros de viagem: J.R.R. Tolkien e C.S. Lewis: "O dom da amizade", de Colin Duriez

Os últimos dias de Thomas Mann

Boletim Letras 360º #287

“Andávamos sem nos procurar”, o filme de “O jogo da amarelinha”, de Julio Cortázar

Não escrever: breve ensaio sobre a impossibilidade

O conto inédito de Ernest Hemingway que narra a libertação de Paris do nazismo

Boletim Letras 360º #286

J. P. Donleavy: Um safado em Dublin

O Estrangeiro, de Albert Camus