Sonho





eu vi no turvo da noite
minha alma vil e negra
rasgando o silêncio noturno

como pó
desfez-se por entre as frestas da porta
e invadiu meu sonho

o sonho. na sarjeta da memória
meu cadáver magro, pálido
vagando em um negro caixão
sustentado por dragões
cavaleiros negros das sombras

como um rascunho vida
desfez-se em pó
correu minhas carnes podres

o sonho. vi-me preso nas entranhas da terra
com toda humanidade vil e feroz

gritava. chorava. pedia clemência.

a humanidade. como um rebanho alienado
satã sob o dogma dde todas as religiões
de bíblia em punho
carregava a humanidade de olhos perfurados
mortos vivos às chamas da fogueira dita santa

e acordei em brasa
vi-me nu no espelho
na sombra do quarto - meu cativeiro
suspenso estava num madeiro sobre a cama
olhos inchados. sangrantes
corpo fúnebre seco
estranho na sarjeta da cama


Este poema foi publicado no site Garganta da Serpente.  Acesse o e-book Palavras de pedra e cal e leia outros poemas de Pedro Fernandes.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

20 + 1 livros de contos da literatura brasileira indispensáveis

Carolina Maria de Jesus, a escritora que catava papel numa favela

José Saramago e As intermitências da morte

Visões de Joseph Conrad

Cecília Meireles: transcendência, musicalidade e transparência

Sor Juana Inés de la Cruz, expoente literário e educativo do Século de Ouro espanhol

Ensaios para a queda, de Fernanda Fatureto

A melhor maneira de conhecer o ser humano é viajar a Marte (com Ray Bradbury)

Os diários de Sylvia Plath

Não adianta morrer, de Francisco Maciel