Exposição José Saramago: a consistência dos sonhos



José Saramago está de passagem pelo Brasil. O escritor veio para a apresentação de seu novo romance, A viagem do elefante. A ocasião é marcada por outra leva de homenagens; Saramago é, depois de Fernando Pessoa e Eça de Queirós, o escritor mais lido por aqui. Entre as atividades de sua agenda, que inclui conferências, entrevistas e uma sabatina pelo jornal Folha de São Paulo, está a abertura da exposição José Saramago: a consistência dos sonhos, que depois de Portugal alcança o Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo.

Com curadoria de Fernando Gómez Aguilera, diretor da Fundação César Manrique, a exposição dedicada ao Prêmio Nobel de Literatura analisa obra e vida do escritor tanto da perspectiva de sua transcendência no mundo da literatura universal como de sua dimensão sociopolítica. Concebida por ocasião do 85º aniversário do autor de Ensaio sobre a cegueira, a mostra é resultado de dois anos de intenso trabalho de investigação, não apenas desde o momento do reconhecimento internacional, a partir de 1982, mas também abordando períodos menos conhecidos de sua trajetória.

Ao todo são 500 documentos originais, entre eles, poemas inéditos, e outros tantos de digitalizados que são apresentados através de um desenho inovador que combina os recursos convencionais com os suportes digitais e audiovisuais, empregando mais de 50 monitores. O abundante material traz ainda manuscritos, notas pessoais, primeiras edições, traduções, fotografias, vídeos, gravações originais, etc., que exploram as chaves de seu imaginário.

Seguindo uma ordem cronológica, a mostra é pontuada por quatro instalações desenvolvidas por Charles Sandison especialmente para o projeto. Conhecido internacionalmente desde a sua participação na Bienal de Veneza em 2001, o artista escocês, que vive na Finlândia, produz a partir de programas de computador projeções sobre telas ou sobre as paredes de obras  como A jangada de pedra, Todos os nomes e Manual de pintura e caligrafia.

A exposição José Saramago: a consistência dos sonhos fica aberta ao público até o dia 15 de fevereiro de 2009, de terça a domingo, das 11 às 20h no Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cortázar forasteiro

Dez poetas necessários da nova literatura brasileira

Coral, de Sophia de Mello Breyner Andresen

Os segredos da Senhora Wilde

Cortázar de A a Z

O que é a Literatura?, de Jean-Paul Sartre

Dez mulheres da literatura brasileira contemporânea