o tempo




matamos o tempo e o tempo nos enterra.
(Machado de Assis)

martelava o tempo

tique-taque
tique-taque
tique-taque

exerguei-me escravo do tempo

tique-taque
tique-taque
tique-taque

quase tive um ataque!

tique-taque
tique-taque
tique-taque

matamos o tempo

tique-taque
tique-taque
tique-taque

o tempo nos enterra

tique-taque
tique-taque
tique- taque
tique-taque
tique-taque

* Acesse o e-book Palavras de pedra e cal e leia outros poemas de Pedro Fernandes.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os segredos da Senhora Wilde

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Boletim Letras 360º #327

Boletim Letras 360º #324

Boletim Letras 360º #325