A expressão Aluísio Azevedo 90 anos depois

Por Pedro Fernandes

Cena de O cortiço. O livro de Aluísio Azevedo foi adaptado por Francisco Ramalho Jr. em 1978.



ao tingir com tintas fortes e pinceladas rudes, por vezes, mas duma poeticidade única, Aluisio Azevedo entrava em definitivo para o rol da história literária como o Zola brasileiro


Há pouco mais de um século o escritor francês Émile Zola publica O romance experimental. Essa obra inaugura novas vertentes no campo da Literatura, que a crítica literária logo tratou de conceituar como Naturalismo. Esse movimento estético literário foi como uma espécie de desdobramento da estética realista. Tal como defendido por Zola, o romance naturalista seria aquele que se preocuparia em apresentar e discutir temas comuns ao homem como patologias sociais, sem pudor, de modo semelhante a um cientista cético que tem o interesse de tocar e remexer numa ferida a título de discernir o cerne da doença. Já quanto ao Realismo, usando de um recurso visual do crítico brasileiro Massaud Moisés, enquanto movimento literário nutria já o interesse pela realidade social só que a maneira como que o escritor a “examinava” era com luvas de pelica. Isto é, no Realismo parece haver entre o escritor e o “problema” social um véu que o impede de atingir o que seria a especificidade da questão. Diferente, então, pelo que eu vinha dizendo acerca da estética naturalista.

Tal estética, entretanto, foi algo bem mais amplo e assim como as outras estéticas literárias é, certamente, fruto de um extenso e emaranhado conjunto de idéias e questões que não se resumiu apenas ao campo da literatura. É visto, por exemplo, que essa nova tendência do romance toma como influências o que já vinha sendo discutido noutros territórios, como as idéias do naturalista inglês Charles Darwin, as do positivista Auguste Comte, além, é claro, da publicação na Alemanha do Manifesto Comunista, de Karl Marx e Friedrich Engels. Idéias que são observadas pela primeira vez na Literatura pelo termo determinismo quando Hippolyte Taine, filósofo e historiador francês, investigava em seus trabalhos sobre a literatura inglesa fatores que a seu ver deveriam ser considerados durante a apreciação de uma obra literária de um determinado povo. Tais fatores eram inerentes ao indivíduo social: raça, meio (geográfico e social) e momento histórico. O determinismo, então, entende-se como a visão do ser humano como produto do meio em que se encontra; da herança – cultural, social etc. – recebida e das condições históricas características do momento em que vive.

Pois bem, o principal autor da literatura brasileira que inaugura cá entre nós a face do que seria o Naturalismo foi o escritor maranhense Aluísio de Azevedo, conhecido, certamente, entre a maioria, pela célebre obra O cortiço. No dia 21 de janeiro passado, fez noventa anos que o escritor faleceu na Argentina. Mais do que este singular momento da literatura brasileira o que convém lembrar pela passagem desta data biográfica é a importância e o significado que carrega a obra de Azevedo.

Antes, recobremos os traços de sua biografia. Seus registros dão conta de um sujeito, como se é comum aos artistas, inquieto ou destoante de seu tempo. Ainda nos bancos da escola primária iremos encontrar o escritor entre os rabiscos de desenhos, o que apontava, segundo sua família, ainda presa às concepções duma psicologia do dom, para os rabiscos de um grande artista plástico. Isso levou sua família a matriculá-lo num curso de artes plásticas. Mas, o caminho que o nascente artista trilharia seria o de outra arte. Largaria o colorido das tintas e os pincéis pela constante da tinta negra e o lápis com que comporia o seu primeiro romance que publica com o título de Uma lágrima de mulher, em 1880. Vale salientar, entretanto, que o talento de artista plástico não foi de um todo desprezado, não no começo de tudo. Azevedo antes deste primeiro romance chegou a compor várias charges para jornais como O Mequetrefe e Zig-zag. Isso no Rio, porque quando ele conclui o curso de artes plásticas seguiu o rastilho de sucesso que seu irmão Arthur Azevedo já tinha na Corte. Apenas quando volta ao Maranhão, quando da morte de seu pai, é que surge esse primeiro romance e quando Azevedo passa a se dedicar ao traçado da escrita, escrevendo crônicas e comentários para a imprensa local. Entretanto, não seria esse romance, ainda vazado nos moldes de um romantismo piegas, nem os desenhos ou seus escritos para o jornal o que lhe vão dá o nome com que sonhara. Continua a viver sua modéstia vida de jovem provinciano, quando lhe vem a idéia já calcinada pelas questões da sociedade em que vive para compor O mulato, em 1881, obra que inaugura os traços da estética naturalista na literatura brasileira. É por este romance que Azevedo se projeta. E é, certamente, por causa deste romance que Azevedo vai morar no Rio. A fama, agora sua, é o que lhe abre as portas dos jornais onde passa a colaborar intensamente por anos e anos de atividades ininterruptas e das quais ele se queixa continuamente dizendo-se um sacrificado, um escravo das letras, que não lhe davam nada, apenas o bastante para morrer de fome. Este trabalho, entretanto, foi o que proporcionou a constituição de sua carreira enquanto romancista. Assim como Uma lágrima de mulher, em 1880, publicaria uma série de romances ainda presos a estética romântica, tais como, Mistério da Tijuca ou Girândola de Amores, em 1882, Memórias de um condenado ou A condessa Vésper, em 1881, Filomena Borges, em 1884, e os considerados naturalistas, além d’O mulato, Casa de pensão, em 1884, O Homem, em 1887, o já falado O cortiço, em 1890, e O coruja, do mesmo ano do anterior, entre outras obras. Além de contos e peças para teatro.

Toda esta obra é importante porque vem compor um conjunto de quadros típicos de espaços e tipos sociais de uma camada outra da sociedade brasileira. É a primeira vez que um escritor se desprende do academismo e dos arquétipos burguês para focar numa nascente marginalidade do País. Símbolo maior desse interesse e de sua escrita é, certamente, O cortiço; e esse é, também, sem dúvidas, o mais bem acabado romance naturalista, uma vez que nesse livro o que se assiste é um autor que não está mais preocupado com as personagens em si, mas concentra-se em demonstrar de que o ser humano é fruto do meio em que vive, compondo, desse modo, a face mais elaborada do Naturalismo. As personagens são completamente envolvidas pelo meio, que, de certa forma, devora-as. O próprio cortiço, cenário da trama que vai se expandindo e multiplicando a cada dia, adquire, por esse caráter antropofágico, a condição de personagem central do romance. É nesse cenário promíscuo e insalubre que o leitor testemunha o cruzamento das raças, a explosão da sexualidade, a violência e a exploração do ser humano. Isto é, o romance é a composição de um painel significativo do que há de mais bicho no ser humano. E é isto que seduz o leitor, porque vendo o que há de mais bicho no ser humano, Azevedo nos expõe ao que há de realmente humano no bicho que somos; não restam dúvidas, pois, de que é a exposição pelas vias do grotesco, o que de mais belo há n’O cortiço. É também o que faz Aluízio Azevedo dono de uma obra significativa, visto que, diferente de outros escritores que criaram tipos humanos, criou ele tipos sociais: é assim n’O cortiço, que como dizia, o cortiço é a personagem central do romance; é assim n’O mulato, em que São Luís e não o mulato Raimundo, é a personagem principal do romance; e é assim em Casa de pensão, em que é a casa de pensão e não Seu Amorim, a personagem-prima do romance. Foi, sem dúvidas, o mestre de narrar a vida coletiva. Depois dele, certamente, não houve ainda outro semelhante.

Apesar de reconhecermos o seu caráter enquanto escritor de uma obra-prima, ele nunca se viu como tal. A profissão de escritor, dizia, era um jugo. Tanto que se tornou cônsul, através de concurso e como tal serviu em Vigo, Nápoles, Japão e por fim em Buenos Aires, aonde veio falecer em 21 de janeiro de 1919. Assumiu seu primeiro posto aos 37 anos e a morte o levou 18 anos depois, e nesse interregno Aluísio Azevedo nunca mais cuidou da literatura. Nunca mais publicou um livro. Deu às costas completamente a Arte.


*Este texto foi publicado em 2 de fevereiro de 2009, no Caderno Domingo do Jornal De Fato, p. 14

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os segredos da Senhora Wilde

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Boletim Letras 360º #327

Boletim Letras 360º #324

Boletim Letras 360º #325