Alice Ruiz

Alice Ruiz. Foto: Alice Slomp


Penso e passo

quando penso
que uma palavra
pode mudar tudo
não fico mudo
MUDO

quando penso
que um passo
descobre um mundo
não paro
PASSO

e assim
que passo e mudo
um novo mundo nasce
na palavra que penso.


O poema que epigrafa este post está em Poesia pra tocar no rádio (1999), título da poeta curitibana Alice Ruiz. A poeta nasceu em 22 de janeiro de 1946; começou a escrever aos nove anos de idade e foi "poeta de gaveta", como assim se autointitulou das vezes em que fala da sua escrita, até aos 26 anos, quando, pela primeira vez publicou um de seus poemas. Mas, o primeiro livro só viria oito anos mais tarde, em 1980, Navalhanaliga, tão logo veio a lume, recebeu o Prêmio Paraná de Literatura.

Depois da publicação do primeiro título, Alice não parou mais e sempre tem aparecido a cada triênio uma obra inédita: Paixão xama paixão (1983), Pelos pêlos (1984), Hai-Tropikai e Rimagens (1985), Nuvem feliz (1986), Vice versos (1988), Desorientais (1996), Haikais (1998), Yuuka (2004), Salada de frutas, Dois em um e Conversa de passarinhos (2008), Três linhas e Boa companhia  (2009), Jardim de Haijin e Proesias (2010), Dos haikais e Estação dos bichos (2011) e Luminares (2012).

Além de poesia,  ela se dedica à tradução e à composição musical, gênero partilhado por parceiros e intérpretes como Zélia Duncan, Arnaldo Antunes, Zeca Baleiro, entre outros.

Alice Ruiz e Paulo Leminski em 1980. Foto: Dico Kremer

Para o poeta Cláudio Daniel em "A lírica imprevista de Alice Ruiz", publicado na Revista Cult, sua obra é movida pelo diálogo com a música popular, a linguagem publicitária, a história em quadrinhos, o zen-budismo e os temas do feminismo e da diversidade sexual; para o poeta, desde o livro de estreia, a obra de Alice já está inserida no que chama de "caldeirão cultural". "O próprio título do livro já indica uma operação de violência contra o lirismo e a sentimentalidade atribuídos por muito tempo à poesia de autoria feminina: Alice Ruiz reivindica, como símbolo de sua poética, nada menos que uma navalha, arma branca usada por garotas de programa para sua segurança pessoal".

Cláudio acrescenta: "A subversão poética da autora, se recuso a ingenuidade romântica, investe, ao mesmo tempo, em composições de grande intensidade emocional, como a peça de abertura do volume [Navalhanaliga]: 'não era ainda pessoa / e já sonhava / não é mais pessoa / e ainda sonha', poema composto em homenagem ao filho Miguel Ângelo Leminski, falecido com apenas nove anos de idade. Esta peça, assim como outras de Navalhanaliga, utiliza recursos visuais, como a inserção de desenhos, fotos e símbolos de notação musical, com evidente ressonância da poesia concreta, mas sem dependência epigônica: a estratégia criativa de Alice Ruiz está mais próxima de um certo brutalismo que nos pensar nas Antologias mamalucas de Sebastião Nunes e nos poemas visuais do Jornal Dobrábil de Glauco Mattoso.

Alice foi casada com Paulo Leminski e herdou do poeta variada forma de construção e apresentação da sua poética, sobretudo, se reparamos nos jogos ou brincadeiras com a linguagem. Mas, foi Leminski quem se encantou pela capacidade de Alice na escritura de haicais. E, tal como o poeta, sua obra tem uma forte integração com o meio popular - está em toda parte e, claro, merece a atenção acurada do leitor porque é, sem dúvidas, uma das vozes mais singulares da poesia brasileira contemporânea.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cortázar forasteiro

Dez poetas necessários da nova literatura brasileira

Coral, de Sophia de Mello Breyner Andresen

Os segredos da Senhora Wilde

Cortázar de A a Z

O que é a Literatura?, de Jean-Paul Sartre

Dez mulheres da literatura brasileira contemporânea