Filmes sobre a Inconfidência

Por Pedro Fernandes

Encerrando a Semana sobre a Inconfidência posto uma dica de dois filmes brasileiros acerca do fato histórico. Sem dúvidas, o fato é o mais recorrente na cinematografia nacional, segundo observação da historiadora Miriam de Souza Rossini, docente na Universidade Federal do Rio Grande do Sul na abertura do Cadernos IHU-Idéias edição 71, intitulado O passado e o presente em Os inconfidentes, de Joaquim Pedro de Andrade. Prova disso, explica Rossini, são os onze filmes sobre o tema, entre longas e curta-metragens (levantamento feito até a altura de publicação do estudo).

cena de Os inconfidentes

1. Os inconfidentes, de Joaquim Pedro de Andrade (1972)

A decisão de Joaquim Pedro de Andrade de filmar uma versão da Inconfidência Mineira teve vários fatores: “as duas experiências na prisão durante a Ditadura Militar (1966 e 1969); os relatos de ex-guerrilheiros torturados que apareciam na tevê renegando seus ideais; a leitura dos Autos de devassa, que voltavam a ser discutidos em função de sua nova edição para comemorar o Sesquicentenário da Independência; e a indignação contra a visão oficialista do filme Independência ou morte, também de 1972, de Carlos Coimbra, cooptado pelo governo militar para também ser utilizado naquela comemoração cívica”. Outro motivo decisivo para a filmagem foi o “tom ufanista daquele início dos anos 1970, que escondia seu lado mais cruel – a tortura, a repressão, a falta de liberdade. Fazer um filme que questionasse as verdades oficiais e, ao mesmo tempo, encontrasse outros sentidos para aqueles fatos era o interesse manifesto do diretor, e a Inconfidência Mineira parecia-lhe perfeita para isso” ressalta Miriam.

2. Tiradentes, de Oswaldo Caldeira, (1999)

Mergulhado em uma intensa pesquisa sobre Joaquim José da Silva Xavier para a defesa de sua tese de doutorado na Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro, o cineasta Oswaldo Caldeira deparou-se com um Tiradentes sem rosto. Descobriu que não havia registros que o identificassem, mas um onipresente estereótipo de mártir da Inconfidência. A tese rendeu o projeto de Tiradentes, com apoio da Riofilme e da NUCINE - Núcleo de Cinema da ECO/UFRJ, além de dois livros. Um abrange o making of e o outro revela o roteiro, comentários e fontes de pesquisa. Identificado como o mentor da Inconfidência Mineira (1789), um dos mais importantes movimentos históricos do Brasil, o dentista autodidata foi enforcado em 1792 e seus companheiros conspiradores foram condenados ao degredo, o que contribuiu para consolidar uma figura santificada e trágica.

Para questionar e derrubar essa visão, Oswaldo Caldeira apresenta um Tiradentes aventureiro, visionário e um tanto ingênuo, apaixonado por causas justas e mulheres bonitas, um traço de semelhança com um dos personagens fascinantes de Caldeira, o louco de O Grande Mentecapto. O filme realiza uma colagem de citações literárias e fatos que recuperam o caráter humano de personagens fossilizados nos livros de história, como o delator dos inconfidentes, Joaquim Silvério dos Reis (Rodolfo Botino), o poeta Tomás Antônio Gonzaga, imortalizado pelos versos feitos a sua amada Dorotéia em Marília de Dirceu, e Cláudio Manoel da Costa (Emiliano Queiroz), um dos articuladores do movimento que sonhou com um Brasil diferente.

* Os dados acerca do filme Os inconfidentes são do texto da professora Miriam de Souza Rossini, docente na Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS - na abertura do Cadernos IHU Idéias edição 71, intitulado O passado e o presente em Os inconfidentes, de Joaquim Pedro de Andrade; Já os acerca do fime Tiradentes são da página Zás Cinema.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os segredos da Senhora Wilde

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Boletim Letras 360º #328

Boletim Letras 360º #327

Boletim Letras 360º #325