Das máquinas ou as qualidades do papel em nossa vida, Gustavo Luz

Por Pedro Fernandes



O poeta Gustavo Luz reapresentou, sem os reais ritos dos lançamentos, Das máquinas ou as qualidades do papel em nossa vida. A primeira edição desse livro foi publicada em 1991. Ao reeditá-la, além de fazer uma vistoria sobre aquilo que foi escrito na época, o poeta convidou-me para uma leitura do datiloscrito a fim de redigir o texto para a quarta capa. O livro vem suprir ainda sua ausência no mercado editorial. Apresentam a obra Massilon Pinheiro Costa e Aécio Cândido.

Os poemas de Das máquinas estão intercalados por um conjunto de xilogravuras de Erivaldo e estão agrupados cinco em blocos distintos, mas já pelos títulos (notará o leitor atento), complementares: "Das máquinas", "A grafia", "O papel", "A gráfica", "Desenvoltura complementar". Seu conteúdo é o dia-a-dia do poeta, herdeiro e também prendado no ofício da arte de impressão, assim encontramos, ora na matéria de labor da gráfica, ora na matéria de um labor psicológico, ora ainda é tomado pelo cotidiano recheado de um prosaísmo ou corriqueirice, tudo, matéria (ou tornada matéria) de poesia.

Gustavo Luz constrói uma série de imagens que transformam o poema em máquina que produz significado a partir do lugar-comum. Ao fundir no corpo da poesia, o homem, a máquina e o próprio poema, o que este livro preenche é o espaço de apresentar o cotidiano extrapolado ao espaço da tipografia, o cotidiano derrisório e prosaico, assaltado pelo enxerto de imagens que plasmam e pulsam visualmente e imageticamente em poesia.

Ligações a esta post:
Leia dois poemas de Das máquinas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os segredos da Senhora Wilde

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Boletim Letras 360º #327

Boletim Letras 360º #324

Boletim Letras 360º #325