Cruz e Sousa



"Tem poetas que interessam mais pela obra, artistas cuja peripécia pessoal se reduz a um trivial variado, sem maiores sismos dingos de nota, heróis de guerras e batalhas interiores, invisíveis a olho nu. Tem outros, porém, cuja vida é, por si só, um signo." Assim inicia Paulo Leminski a apresentação que faz sobre a vida de Cruz e Souza, considerado, muito tardiamente, pela crítica literária como um introdutor do Simbolismo no Brasil pela publicação de dois livros, em 1893, Missal e Broquéis.

Filho de escravos alforriados, João da Cruz e Sousa nasceu em Nossa Senhora do Desterro – Florianópolis, hoje – em 1861. Foi “escondido” ou “rejeitado” do/pelo público leitor durante muito tempo, apesar de a crítica o ter como introdutor do simbolismo no País. Sua obra ainda é um campo de investigação vasto que somente agora começa a ganhar atenção merecida. Fora isso, teve o autor uma vida conturbada. Uma tragédia, pode-se assim dizer. Essa tragédia pessoal vem agravar-se com o seu casamento. A esposa, Gavita Gonçalves, também negra, deu-lhes quatro filhos. Todos eles morreram muito cedo. Todos vitimados pela tuberculose. Com a morte dos filhos, Gavita enlouqueceu e permaneceu internada por longos períodos. Também vitimado pela tuberculose, Cruz e Souza morreu numa pequena cidade mineira, Sítio, onde se refugiara em 1898. Seu corpo foi transportado para o Rio de Janeiro em um vagão de animais.

Não obstante uma história de vida marcada pela miséria e pela dor, a produção literária de Cruz e Souza o coloca hoje entre os grandes simbolistas do século passado. Hoje chegam a compará-lo a Mallarmé. Impressiona a crítica em sua poesia pela profundidade filosófica e a angústia metafísica, temas sem dúvida oriundos de sua sofrida experiência pessoal.

Podemos encontrar, de modo recorrente, em sua obra, a tematização do amor, do mistério, das sensações, da angústia, da dor de existir, do conflito entre a carne e o espírito, da escravidão e da mulher. Em seu vocabulário poético predominam, de modo obsessivo, termos associados à cor branca – névoas, alvas, brumas, lírios, neve, palidez, lua etc.

Cruz e Sousa publicou ainda, além de Missal e Broquéis, Tropos e fantasias. Postumamente foram editados Faróis, em 1900, e Últimos sonetos, também em 1900.


O texto fonte desta post está em ABAURRE, Maria Luiza; PONTARRA, Marcela Nogueira; FADEL, Tatiana. Português:língua e literatura. São Paulo: Moderna, 2000.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os segredos da Senhora Wilde

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão

Boletim Letras 360º #324

Boletim Letras 360º #325

Desaguadouro de redemunhos. Grande sertão: veredas