Tudo sobre minha mãe, de Pedro Almodóvar



Em homenagem ao universo feminino, consagrado diretor espanhol fala de perdão e da relação entre pais e filhos

As mulheres sempre ofereceram um pilar de sustentação ao cinema de Pedro Almodóvar: fortes, passionais, vingativas, elas são o veículo pelo qual o espanhol expõe seu humor exótico, os fetiches e desejos, as lembranças de infância. Talvez em nenhum outro momento elas tiveram maior destaque do que em Tudo sobre minha mãe, obra da fase madura e melancólica, marcada por melodramas. O período teve início com A flor do meu segredo (1995) e Carne trêmula (1997) e prosseguiu com o dolorido Fale com ela (2002), o sombrio Má educação (2004) e o recente Volver (2006). Na trama, Almodóvar reúne um pouco de almas (femininas) desorientadas e tece um drama delicado sobre o relacionamento entre pais e filhos, a autodestruição (e a subseqüente volta por cima) e o perdão.

Manuela (Cecilia Roth) leva seu filho Esteban (Eloy Azorín) para comemorar seus 17 anos assistindo a uma encenação de Um bonde chamado desejo, de Tennessee Williams. Ao fim do espetáculo, o rapaz corre para pedir um autógrafo à estrela da peça, Huma Rojo (uma imperiosa Marisa Paredes), e acaba sendo atropelado. Meses depois, Manuela vai a Barcelona para rever o pai do filho morto e o encontra transformado no travesti Lola (Toni Cantó). Lá, ela conhece Agrado (Antonia San Juan), outro travesti, e Rosa (Penélope Cruz), uma freira engravidada por Lola, de quem contraiu HIV. Ao mesmo tempo em que dá apoio à irmã Rosa, começa a trabalhar como secretária de Huma, sem lhe contar, porém, sobre a parcela de culpa na morte de Esteban. Apesar do tom melancólico e de tocar em assuntos sérios - AIDS, drogas, prostituição e a hipocrisia da igreja católica -, Tudo sobre minha mãe tem humor e até diverte em algumas cenas (como a de Agrado subindo ao palco para falar das intervenções cirúrgicas em seu corpo).

A obra traz diversas homenagens e referências a filmes como A malvada (1950), e Uma rua chamada pecado (título brasileiro do filme de 1951 baseado na peça de Um bom chamado desejo). Pelo trabalho, Almodóvar ganhou o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro em 2000 e dedicou o prêmio "a todas as atrizes que viveram atrizes. A todas as mulheres que representam. Aos homens que representam e se tornaram mulheres. A todas as pessoas que querem ser mães. À minha mãe".

* Revista Bravo!, p.93

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os segredos da Senhora Wilde

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão

Boletim Letras 360º #324

Boletim Letras 360º #325

Desaguadouro de redemunhos. Grande sertão: veredas