Postagens

Mostrando postagens de Março 5, 2009

Visitas ao universo literário de Pepetela

Imagem
Pepetela. Foto: Beto Figueiroa A obra de Pepetela é, do seu país, certamente uma das obras melhor consolidada e mais significativa. A afirmativa tem a ver com a quantidade significativa de livros publicados e mais que isso, a qualidade inconteste referendada pela crítica literária em vários cantos da língua portuguesa. Depois de José Craveirinha, o escritor angolano foi o segundo a receber o prestigiado Prêmio Camões, em 1997. Nesse período, sua obra começa a ganhar novos contornos: permanece o interesse original pela história de Angola, mas agora se volta para discutir questões sobre uma sociedade pós-colonial maculada pela variedade de problemas decorrentes dos tempos que esteve sob jugo do colonizador.   Pepetela nasceu a 29 de outubro de 1941, em Benguela. É descendente de uma família de portugueses que migraram para África nos idos anos quando muitos buscaram nas colônias um meio de sustento. Fez os primeiros estudos ainda na cidade natal; depois, no ensino secundário foi para Lub

A felicidade não se compra, de Frank Capra

Imagem
O longa traz elementos sacralizados pelo imaginário da cultura americana para fazer um inesquecível conto de natal Clássico dos clássicos de Natal, esse filme até hoje [2007] é reprisado no fim de ano na televisão americana e continua levando os telespectadores às lágrimas da mesma forma que 60 anos atrás. A felicidade não se compra conta a história de George Bailey, um homem terno, idealista e sonhador que, deprimido pela falência financeira e revoltado com a exploração de um milionário sobre a pequena cidade onde vive, resolve cometer suicídio e é salvo por um anjo. Bailey (James Stewart) representa o homem comum, com as alegrias e fraquezas de todo mundo. Após a tentativa, o personagem descobre como teria sido diferente (e pior) a vida da sua cidade e da sua família, caso ele nunca tivesse existido. Poucos cineastas assumiram em sua obra a tarefa de difundir os valores essenciais da sociedade norte-americana quanto Frank Capra. Para muitos críticos ele é considerado