Amor à flor da pele, de Wong Kar-wai



A passagem do tempo e a teia de pequenas emoções estão no centro da visão romântica e nostálgica do diretor chinês

Da invasão de filmes orientais que se concentrou desde meados dos anos 1990, aqueles que trazem a assinatura de Wong Kar-wai estão entre os que mais chamaram a atenção para o fenomenal cinema produzido nas três Chinas (a China continental, a ex-colônia inglesa Hong Kong, e Taiwan).

Distinto de muitos de seus colegas e ao mesmo tempo compartilhando com eles um gosto refinado pelo estetismo visual, os filmes de Wong também se destacam por um forte apelo emocional. Desde Amores expressos (1994), o diretor seduziu as platéias com sua visão romântica e ultracontemporânea dos desencontros amorosos.

Amor à flor da pele é o filme onde essa temática encontra uma forma que lhe encaixa à perfeição. Ambientada em 1962, a obra narra os encontros de um homem e uma mulher, ambos casados, que se conhecem num hotel quando seus respectivos parceiros estão longe. Entre os dois, tece-se uma teia de pequenos sentimentos, cumplicidade e erotismo sublimado, até que a história de amor esbarra nas convenções sociais e nunca chega a se efetivar. A nostalgia em tom amargo é reiterada pelo uso recorrente de duas canções na voz de Nat King Cole, "Aquellos ojos verdes" e "Quizás", que, por sua vez, repercutem os estados afetivos dos personagens.

O passar do tempo capturado em suas mínimas modificações, uma das obsessões do diretor (fortemente influenciado pelos primeiros trabalhos do francês Alain Resnais), é tornado visível aqui sob a forma de uma troca incessante dos vestidos usados pela protagonista, num total de 46. O figurino segue sempre o mesmo modelo, mas o tecido das roupas nunca se repte de uma cena para outra. O perfeccionismo do diretor reflete também no tempo que demorou para completar as filmagens: 15 meses.

Em seu trabalho seguinte, 2046 (2004), Wonf recupera e desenvolve elementos de Amor à flor da pele, como o personagem do escritor e o número do seu quarto de hotel neste título anterior, numa espécie de retomada quase musical do tema.

O filme, no Festival de Cannes de 2000, ganhou os prêmios de Melhor Ator (Tony Leung) e de Melhor Contribuição Técnica, para a fotografia assinada por Christopher Doyle, Pin Bing Lee e William Chang.

* Revista Bravo!, 2007, p,96

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cortázar forasteiro

Dez poetas necessários da nova literatura brasileira

Coral, de Sophia de Mello Breyner Andresen

Os segredos da Senhora Wilde

Cortázar de A a Z

O que é a Literatura?, de Jean-Paul Sartre

Dez mulheres da literatura brasileira contemporânea