O caderno-revista 7faces tem espaço próprio e anuncia a primeira edição

A poeta Zila Mamede será a homenageada na primeira edição do caderno-revista 7faces.


O lançamento virtual do caderno-revista 7faces tem data marcada. Dia 29 de janeiro de 2010. Com um bom tempo de atraso (essa edição fora prometida para agosto do ano passado) enfim chegará o grande momento. "Foram muitas as dificuldades para produção desse material, que eu, como editor da ideia, espero que os leitores gostem", assinala Pedro Fernandes.

Imagina-se: a proposta do periódico não envolve mais que a força de vontade de um aventureiro em todas as searas; relembra Pedro que começou a entrar no território movediço da web com a organização deste blog, o Letras in.verso e re.verso. Foi o bom retorno da publicação eletrônica Palavras de pedra e cal, um livreto que reúne todos poemas que publicou no Letras e em outras mídias, mais a constante visita dos leitores que por aqui transitam em busca de expor sua matéria poética o que motivou a criação de um espaço dedicado à poesia. 

A primeira edição homenageia a poeta brasileira Zila Mamede. 2014 foi o ano dos cinquenta anos de publicação de uma de suas obras mais conhecidas, O arado; "e é, especificamente por essa data e pela singularidade da literatura de Zila no âmbito da poesia nacional, que decidi organizar esta edição com essa breve homenagem à sua obra", reafirma o editor.

A edição estará, na referida data, disponível para download na página em formato PDF e na plataforma para autopublicação online ISSUU. A princípio os participantes da ideia receberão o material em suas caixas de e-mails e é do interesse de Pedro organizar uma espécie de rede de intercâmbio entre poetas de língua portuguesa ou um clube de poetas online para troca de experiências com a poesia.

Nascida aqui no Letras, mas agora, o periódico já tem casa própria na web. Aí ficará hospedada a primeira edição publicada no final do mês e através do espaço o leitor-poeta poderá se informar sobre como fazer para enviar seus trabalhos para as futuras produções. A torcida que sempre se faz nessas horas é para que projetos dessa natureza, engajados no propósito de divulgação da arte, tenham vida longa e, mesmo breve, possam colocar em face nomes e poéticas diversas de um cenário tão heterogêneo quanto o da literatura contemporânea.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cortázar forasteiro

Dez poetas necessários da nova literatura brasileira

Coral, de Sophia de Mello Breyner Andresen

Os segredos da Senhora Wilde

Cortázar de A a Z

O que é a Literatura?, de Jean-Paul Sartre

Dez mulheres da literatura brasileira contemporânea