Conferência sobre a obra de José Saramago




A obra produzida por José Saramago (1922 - ) está dividida em poesia, teatro, crônica, conto e romance. Boa parte dela não é apenas uma renovação estética, assim como fez com o romance, por exemplo, já definido pela crítica como um modo peculiar de narrar, assinaladamente marcado pela ressignificação da pontuação e da sintaxe gramatical. Sua obra, sobretudo a produção cronística e romanesca, é marcada pelo interesse de ser uma intervenção no atual modo de vida que vimos, enquanto Ocidente, construindo. Quando não, o escritor quer levar seu leitor a uma reflexão sobre isso; se nos conquista, alcança aquilo que é seu interesse maior - deixar de ser o que somos para ser outro tipo de humanidade.

É evidente que, uma abordagem completa de sua bibliografia merece não uma conferência, mas um curso de longa duração no qual os espectadores pudessem como o pesquisador ler pausadamente o conjunto da obra e assinalar temas, formas e obsessões do autor. Mas, numa conjuntura em que ainda são poucos os leitores de uma obra assim tão importante na formação cidadã como é a obra de José Saramago, qualquer motivo para uma abordagem a seu respeito é de fundamental importância. Nessas abordagens estão algumas centelhas que poderão visgar um ou outro leitor que se descubra como eu me descobri naquela tarde em que me deparei com O Evangelho segundo Jesus Cristo.

O objetivo desta postagem é registrar o convite do Professor Edgley Freire Tavares, para está hoje, 09 de fevereiro de 2010, a partir das 19h, na Faculdade de Letras e Artes da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Campus Central, Mossoró (RN) numa conferência, a que chamo palestra-diálogo com os alunos dessa instituição. Não deixarei de tratar do conjunto da obra saramaguiana e por isso o título da minha fala é Um ensaio itinerante para ler José Saramago: paisagens.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os segredos da Senhora Wilde

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão

Boletim Letras 360º #324

Boletim Letras 360º #325

Desaguadouro de redemunhos. Grande sertão: veredas