Preencha o formulário para participar da promoção. Se você não chegou aqui pelo Facebook, não deixe de findar sua inscrição cumprindo o restante do regulamento desta promoção.

O princípio da desconfiança

Por Pedro Fernandes



Se queres prolongar o amor não permitas que a desconfiança te domine em relação à pessoa amada.
Ovídio

Esta post de hoje não teria vez neste espaço se o mantenedor dele não tivesse passando em sua vida pessoal por uma situação se não complicada, mas no minimo desconfortável. Não devo relatá-la porque isso, creio, é de meu interesse próprio e não deve ser ou vir-a-ser matéria de conversas alheias e creio que ao longo do texto claro ficará do que se trate a referida situação. Quero refletir acerca desse princípio que tem tomado dos pés à cabeça muita gente quando se trata da construção de uma nova cadeia de relacionamento amoroso.

Todo mundo já deve, em algum momento da vida, ter se envolvido o suficiente com uma pessoa a ponto de esquecer-se de si para dar lugar ao outro. Isso não é doença. É um sentimento a que se denominou paixão e que tem data de fabricação e validade por tempo determinado. Também creio que essa mesma pessoa em algum momento de sua vida tenha passado por uma decepção que lhe servirá de luz vermelha de alerta a todo e qualquer relacionamento que surgir depois do fatídico desfecho. Creio ainda que, no início do novo traço de amor tenha essa mesma pessoa estudado cuidadosamente o terreno antes de pisar - e tenha começado a pisá-lo pé ante pé, mas depois acaba por deslizar e não consegue mais estabilidade a ponto de novamente está envolvido totalmente como no caso do outro relacionamento. É, portanto, do interior dessa avalanche que nos leva sem destino mundo afora que brota o tal princípio da desconfiança. Geralmente surge da intrigante e filosófica pergunta - será que o outro tanto me ama quanto eu o amo ou será que tudo o que por ele faço não passa de troça e ele, na verdade, curte amar outra pessoa? Pergunta tão filosófica esta que deve está - e se não está deve entrar  para - no rol das perguntas que movem a humanidade, como a clássica, quem somos? ou aquelas outras, de onde viemos e para onde vamos?

O tal princípio da desconfiança é do rol dos  sentimentos mais crueis que já pudemos inventar; tem a ver com fidelidade; tem a ver com cumplicidade; tem a ver com a própria materialidade do curso da vida - essa lâmina incerta que de instante em instante acha de nos dá uma rasteira e cortar um pedaço de nós. Lembro-me aqui, e esse é o exemplo mais claro que se possa dar, do clássico texto de Machado de Assis, o Dom Casmurro, cujo princípio é posto ao limite próprio e em carne no corpo da personagem Bentinho em relação a adorável Capitu, a dos olhos de ressaca. Tomado pela paixão desenfreada, Bentinho vê e cria para si toda uma realidade outra de traição da sua Capitu com o seu melhor amigo Escobar; e no ínterim da sua desconfiança é levado ao trágico isolamento de si próprio. E no isolamento de si próprio sua vida transforma-se a ponto de desgastar-se, tornando-se palco de amargura - sentimento que mantém a caliça do romance machadiano. 

Quando tomados por esse princípio da desconfiança nossa mundo se refaz às avessas - aquilo que vejo a pessoa amada me dizer pode ser tomado e é tomado sempre por um outro largo de leitura e desse dito uma outra realidade paralela se constrói; essa outra realidade é castrante. Ela vai como um besouro cavando a nós e nosso sentimento, a ponto de, aquele pilar que sustém a relação, o pilar da confiança, ser desgastado e ruir por terra. Uma vez por terra estamos outra vez sós. Impotentes perante a própria existência.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

11 Livros que são quase pornografia

Os muitos Eliot

Uma entrevista raríssima com Cora Coralina

Além de Haruki Murakami. Onze romances da literatura japonesa que você precisa conhecer

Boletim Letras 360º #308

Boletim Letras 360º #309

As melhores leituras de 2018 na opinião dos leitores do Letras

A necessidade humana de expressão artística – parte I

Os melhores de 2018: prosa