Preencha o formulário para participar da promoção. Se você não chegou aqui pelo Facebook, não deixe de findar sua inscrição cumprindo o restante do regulamento desta promoção.

O conto da ilha desconhecida, de José Saramago

Por Pedro Fernandes

Esta é capa da edição brasileira de O conto da ilha
desconhecida
 (Companhia das Letras)


Semelhante a uma parábola, O conto da ilha desconhecida apresenta-nos apenas um fato que se desdobra em dois momentos na narrativa: primeiro acontece de um homem que bate à porta do rei para pedir um barco, no intuito de encontrar uma ilha desconhecida; o segundo marca-se pela concessão do pedido, a busca e o sonho ou o sonho e a busca, marcados na tentativa de encontrar a ilha desconhecida.

O pedido tão simples, assim como são simples os fatos que dele decorrem é o que marca o primeiro momento do texto, é o que desencadeia toda uma história sobre descobrimentos, conforme Gomide (2001), “sobre a possibilidade da criação e sobre a possibilidade do amor”. (p.363) Além destes dois descobrimentos apontados, acrescento mais um; este é a mola propulsora do texto: o descobrimento do ser enquanto ser.

O pedido de um barco pode nos parecer simples à primeira vista, se enxergarmos apenas o pedido, porém, a conseqüência do pedido ou não, que é a aceitação dele, não é assim tão aceitável. Ainda mais quando o pedido é dirigido a um rei no auge da burocracia por um homem da plebe, do povo. Um rei que, ironicamente, para atender a pedidos, colocava-os todos nas mãos da pessoa que ele achava mais insignificante, as mãos da mulher da limpeza.

Trata-se, pois, o pedido de uma representação de algo simples, de aceitação difícil, porque ao mesmo tempo apresenta uma inversão (ou subversão) de ordem, porque não é um rei quem pede a um homem para procurar novas terras, como quando do período das Grandes Navegações, tema que atravessa a gênese dessa obra, mas é um simples homem que quer um barco para ele mesmo descobrir o que era desconhecido inclusive para ele.

Ligações a esta post: 
Mais informações sobre O ser em O conto da ilha desconhecida, título de meu texto de conclusão do curso de Letras e cinco citações do conto aqui.

* Este texto é a reescritura de um fragmento de O ser em O conto da ilha desconhecida.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

11 Livros que são quase pornografia

Os muitos Eliot

Além de Haruki Murakami. Onze romances da literatura japonesa que você precisa conhecer

Boletim Letras 360º #308

Uma entrevista raríssima com Cora Coralina

As melhores leituras de 2018 na opinião dos leitores do Letras

Boletim Letras 360º #309

Os melhores de 2018: prosa

O excesso que vive: Mac e seu contratempo, de Enrique Vila-Matas