Graciliano Ramos




Já não cairá no esquecimento; é o que agora dizem quando alguém ganha as páginas da web. A editora responsável pela reedição de sua obra é a autora do feito. O autor do já clássico Vidas secas, obra que ano passado celebrou seus setenta anos, Graciliano Ramos, está bem. O escritor é de 27 de outubro de 1892; nascido na cidade de Quebrângulo, sertão de Alagoas, o primogênito de uma família de dezesseis filhos.

Teve sua infância vivida em Viçosa, Palmeira dos Índios (Alagoas) e Buíque (Pernambuco); em Palmeira dos Índios foi prefeito. O pouco tempo que esteve na função revelaram-no um sujeito dedicado a querer fazer o que é certo quando se está à serviço do povo num cargo público. É desse período os famosos relatórios que, nas palavras do próprio escritor, o tornaram mais reconhecido do que mesmo como romancista.

Nascido e criado no sertão nordestino, é sobre essas suas raízes que desenvolverá as principais temáticas de sua literatura e também seu estilo literário. A sisudez, por vezes, da escrita e a economia verbal são procedimentos que muito se aproximam da aridez sertaneja. Pode-se dizer que aí está o gênio criativo de Graciliano; fazer da paisagem não apenas cor mas tom à composição de sua obra, que a crítica literária coloca como sendo pertencente ao que no Modernismo brasileiro ficou conhecido por Regionalismo.

O seu primeiro romance, Caetés, foi publicado em 1933. Depois se seguiram São Bernardo, Angústia, Vidas secas, Infância, Memórias do cárcere; este último uma espécie de autobiografia que assinala a passem do escritor pelos porões da ditadura. O livro não foi concluído, mas traduz o negro período de sua vida pessoal que se confunde com a vida do país. Graciliano foi detido em 1936 quando vivia em Maceió e foi nesse período que passou pelo Pavilhão dos Primários da Casa de Detenção, pela Colônia Correcional de Dois Rios (Ilha Grande) e Sala da Capela de Correção (no Rio de Janeiro). Angústia, por exemplo, foi publicado sem que o escritor estivesse presente.

O escritor morreu em 1953.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os segredos da Senhora Wilde

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão

Boletim Letras 360º #324

Boletim Letras 360º #325

Desaguadouro de redemunhos. Grande sertão: veredas