Revista Oeste



Apesar dos atropelos marcados pelo excesso de atividades e curto tempo para todas elas,  posso comentar brevemente sobre a edição recente da Oeste - Revista do Instituto Cultural Potiguar. A apresentação desse número marca um renascimento do periódico e das atividades do ICOP cuja data foi assinalada no dia 7 de maio de 2010, em Mossoró, com uma atividade que contou com autores que escrevem para esta edição ora publicada e os que estão à frente do projeto.

Recebi a revista na tarde de sexta-feira, 14 de maio, na Poty Livros de Mossoró, no belo espaço vizinho ao Teatro Municipal (que lugar bom de estar!); encontrei as figuras de David Leite, vice-presidente do Instituto, do poeta Clauder Arcanjo e dos escritores José Nicodemos e Rodrigues da Costa. Não preciso acentuar mais nada sobre o reencontro.

Devo apenas dizer sobre a edição, que, para uma revista já em idade adulta - afinal sua primeira edição veio a lume em 1958 - ficou primorosa. De fôlego renovado, certamente. Visualidade rica. Conteúdo de igual natureza. Oeste reúne de tudo um pouco: conto, crônica, ensaio e poemas. E chamo atenção para alguns textos que tive oportunidade de ler e merece a primeira atenção do leitor: o conto "Pequeno ensaio sobre a riqueza", de Mário Gerson, o ensaio "Os sertões: onde as palavras viram  coisas", de Leontino Filho e os poemas de Clauder Arcanjo, Paulo de Tarso Correia de Melo e Demétrio Diniz. Na revista, contribuo com o ensaio Um farol na noite, um conjunto de notas em que reflito sobre os cursos de Letras e seus papeis nesse novo cenário de movência.

Enfim, só resta sublinha a importância desse gesto protagonizado pelos organizadores; essa retomada só vem engrandecer os cenários da cultura e da arte em meios onde tais elementos são tão escassos devem ser aplaudidos de pé.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os melhores de 2018: poesia

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Treze obras da literatura que têm gatos como protagonistas

Em busca da adolescente que abriu caminho a Virginia Woolf e Sylvia Plath

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão