A origem, de Christopher Nolan

Por Pedro Fernandes

Caprio em grande forma em A origem, isso depois de uma outra estreia singular no cinema, Ilha do medo, de Martin Scorcese


Até hoje Ilha do medo, de Scorcese era, para mim, o melhor filme de 2010. Perdeu seu posto para A origem, de Christopher Nolan. O filme é primoroso e retoma no espectador seu estágio de inteligência constantemente solavancado por bestiliades que varrem as telas do cinema de cabo a rabo no mundo. O enredo é simples; pode ser resumido em poucas linhas. Um ladrão de sonhos, Dom Cobb (Leonardo DiCaprio) é contratado para plantar uma ideia no inconsciente de um homem. Pronto está feito o nascimento de um enredo labiríntico e complexo que exige de nós olhos abertos a cada virar de cena.

Misto de sonho e realidade, o filme se apodera de questões caras à psicanálise, à física, à filosofia e sobre a própria técnica do fazer cinema. Para Nolan isso tudo posto à prova não é novidade. O diretor vem aperfeiçoando sua técnica de manipulação dos laços ficção-realidade, desde quando lança Amnésia - filme também guiado pelas linhas da mente, e Seguinte - seu primeiro filme levado à cena há pelo menos uma década. A tessitura labiríntica de A origem não foi-lhe barata. Segundo os jornais sobre cinema, Nolan teria levado nada menos do que dez anos para elaborar a trama.

O filme me lembrou Ilha do medo. Em ambos os filmes a realidade são projeções da mente humana, e difícil é precisar onde que finda uma e onde que começa outra. Fez-me lembrar ainda Matrix pela operacionalização dos labirintos cerebrais como que máquinas potentes capazes de erguer nosso estágio de civilização e capazes também de destruí-los. Lembro aqui da personagem-mulher fatal - a mulher de Dom, interpretada pela atriz Marion Cotillard. Ela morreu, mas vive invadindo os sonhos do ex-marido. Espécie de vírus que se lhes apresenta em todos os projetos de invasão de sonhos para sujar o roteiro elaborado.

Tudo nesse filme vale a pena: a trilha sonora - que novamente me remete ao Ilha do medo, claro, aqui pincelado pelos versos da Edith Piaf em Non, je ne regrette rien, que é a música usada para acordar do transe os envolvidos no projeto de manipulação dos espaços oníricos - a fotografia, os efeitos - que novamente me remete ao Matrix. Enfim, como já bem notou a crítica, A origem reitera que, apesar de tudo, ainda reside inteligência em Hollywood.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Desaguadouro de redemunhos. Grande sertão: veredas

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Numa catástrofe, quais livros salvaríamos de nossas bibliotecas pessoais?

Varlam Chalámov, contador de histórias

Por que Calvin e Haroldo é grande literatura: sobre a ontologia de um tigre de pelúcia ou encontrando o mundo todo em um quadrinho