Fargo, de Joel e Ethan Coen



Em nenhum outro momento de sua carreira, o humor negro dos irmãos Joel e Ethan Coen atingiu tamanha excelência quanto no gelado Fargo, em que o equilíbrio entre o lado "sério" da dupla (Gosto de sangue, de 1984, Ajuste final, de 1990) e o cômico (Arizona nunca mais, de 1987, A roda da fortuna, de 1994) atinge solidez, sempre utilizando o fracasso como mote. 

Fargo é uma pequena cidade do meio-oeste americano, no estado de Minnesota - região definida pelos cineastas como uma "Sibéria com restaurantes familiares". Um vendedor de carros usados (William H. Macy) contrata dois pilantras (Gaer Grimsrud e o hilário Steve Buscemi) para sequestrar sua esposa, pedir o resgate ao sogro milionário e, com isso, escapar da ruína financeira. 

Por uma coincidência, acabam cruzando o caminho da grávida e impassível policial Marge Gunderson, interpretada com brilho por Frances McDormand, mulher de Joel. 

A fórmula de sarcasmo dos irmãos é acumular um grande número de absurdos, o suficiente para que o convencional acabe soando exótico e um punhado de mortes e assassinatos seja visto como fato corriqueiro.

Fargo foi indicado a sete Oscar. Venceu nas categorias Roteiro Original e Atriz (McDormand). Foi ainda um raro sucesso de público da dupla de cineastas, que já haviam levado a Palma de Ouro por Barton Fink (1991): reconhecidamente  talentosos, porém pé-frios na bilheteria. E, ao contrário do que dizem os créditos, Fargo não foi baseado em uma história verdadeira. É apenas mais uma piada dos Coen.

* Revista Bravo!, 2007, p.110 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Desaguadouro de redemunhos. Grande sertão: veredas

Por que Calvin e Haroldo é grande literatura: sobre a ontologia de um tigre de pelúcia ou encontrando o mundo todo em um quadrinho

Boletim Letras 360º #323

Engagement, de Theodor W. Adorno*