Toque de colher poemas


Carlos Gurgel, Carito, Civone Medeiros e Renata Mar do Projeto Toque de colher poemas.
Fonte: Site do Jornal Tribuna do Norte

Negando a relação de mão única entre os versos escritos e o leitor, o poeta Carlos Gurgel convidou um grupo de amigos para colherem seus poemas em gavetas, estantes, cadernos e traduzi-los com voz e sentimento, para o público que deseje ouvi-los. Nesta horta foram fecundadas as palavras de Carito, Civone, Renata Mar e o próprio Carlos Gurgel. A colheita acontece hoje (29), às 20h, no Espaço Cultural Buraco da Catita.

O público vai ficar com os poemas autorais dos poetas convidados. Além do texto falado, o público poderá contar ainda com Petit das Virgens e Flávio Freitas, que tocaram fole e trompete. O grupo se reuniu há dois meses e vem ensaiando aquilo que eles nem chamam de sarau, nem de performance, nem de espetáculo. É simplesmente “um toque de colher poemas”.

O repertório é dividido em três partes: “Inclassificáveis”, “Mesa Confessional” e “À Cinco Bocas”, onde, por cerca de 50 minutos, um mosaico de revelações, desafios, confissões, desejos, alucinações, declarações de amor, será mostrado.Em alguns momentos, lembra jogral. Em outros, uma construção feita por sobre a face do humor, do medo, do desespero e da luz que acompanha os olhos de quem lê e da pulsação de quem escuta. Um lugar onde o poeta se expõe e se mostra. Como um espelho, a face, de uma palavra que se revela. Assim, como estar entre amigos. Como estar em um lugar, onde pede-se que a palavra aconteça. Como conviver ouvindo. Semelhante ao que a vida solicita, quando se procura pela palavra precisa e que acolhe.

O projeto Toque de Colher Poemas tem entrada: franca e mais informações sobre podem ser adquiridas pelo (84) 9624.2707.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

20 + 1 livros de contos da literatura brasileira indispensáveis

Carolina Maria de Jesus, a escritora que catava papel numa favela

José Saramago e As intermitências da morte

Visões de Joseph Conrad

Cecília Meireles: transcendência, musicalidade e transparência

Sor Juana Inés de la Cruz, expoente literário e educativo do Século de Ouro espanhol

Ensaios para a queda, de Fernanda Fatureto

A melhor maneira de conhecer o ser humano é viajar a Marte (com Ray Bradbury)

Não adianta morrer, de Francisco Maciel

Boletim Letras 360º #246