Estorvo, de Chico Buarque

Por Pedro Fernandes



Estorvo é a história do sujeito em estado de sonho, de pavor de si. Tudo começa quando uma personagem, já não identificada, mira alguém por através do olho mágico e logo em seguida põe-se em disparada numa viagem de muitos retornos - não necessariamente eternos, nem de filho pródigo. Não tarda o itinerário da própria trama para que descubra-se que ele, membro de uma família da elite carioca, está envolvido, o porquê disso também não sabemos, com o tráfico de drogas. Com esse romance Chico apresenta-se como romancista, até então só compunha, cantava e escrevera, sim, peças para teatro e um livro infantil. Inaugura também aquilo que deverá se tornar rota, para não dizer estilo, de sua escrita: uma escrita de, senão forte apelo, mas de veio social muito vivo. O trânsito dessa personagem de Estorvo - que, ora está no seu berço de origem ora está no mundo à parte do seu - apresenta-nos que as fronteiras de classe no Brasil é divisada por linha muito frágil, impossível até de precisar onde que começa a burguesia e onde que finda uma classe baixa. Todas as classes são solavancadas por problemas que as fazem muito próximas umas das outras. Logo, o problema nosso parece ser outro: regrados por uma hipocrisia e por um falso moralismo estamos submissos a um estágio de pavor de nós mesmos, transbordando tudo isso, num itinerário errante. 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os conselhos de Wislawa Szymborska aos aspirantes a escritores

Eu sei que nunca se dirá tudo o que a poesia é

Torquato Neto, exercício de liberdade

Emily Dickinson, por Ana Cristina Cesar

Philip Roth, agora mesmo começam outros círculos

Tirza, de Arnon Grunberg

Cinco razões (talvez algumas mais) para desfrutar do “Ulysses”, de James Joyce

O macaco e a essência, de Aldous Huxley

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira