Roma, cidade aberta, de Roberto Rossellini


A imagem que ficou na história do cinema é a de Anna Magnani caindo na rua, abatida por soldados alemães, em Roma, cidade aberta.


A crítica de cinema norte-americana Pauline Kael tem uma boa definição sobre Roma, cidade aberta: parece mais captado do que representado. Foi assim mesmo, com esse senso de realidade típico dos documentaristas, com alguma ação mas nenhum floreio cênico, que Roberto Rossellini fez o primeiro longa do chamado neo-realismo italiano. Numa Roma destruída, dias depois da chegada das tropas aliadas, em 1945, o cineasta, com uma câmera e restos de negativos não utilizados, filmou uma ficção inspirada em fatos reais, mostrando a resistência do povo contra a dominação nazista. Com improvisos e atores não profissionais, rodado nas ruas, sem cenários ou as usuais "maquiagens" do cinema de estúdio, Rossellini criou imagens brutas, "sujas", retratando uma realidade material terrível e jamais vista antes no cinema comercial.

O impacto do filme foi tão grande que o cineasta passou a ser cultuado por uma série de realizadores, de Jean-Luc Godard ao brasileiro Nelson Pereira dos Santos (Rio 40 graus, de 1955), além de teóricos, como o francês André Bazin. Este faz, em O cinema - Ensaios, um belo estudo sobre as longas tomadas sem corte do neo-realismo, que seriam mais próximas da realidade, pois não há montagem na vida real.

Roma, cidade aberta foi uma experiência pioneira para as platéias acostumadas às encenações hollywoodianas e às de grandes estúdios europeus, que utilizavam predominantemente cenários. A história é contada com cenas dramáticas (uma delas, marcante, é a da execução de um padre), como qualquer longa narrativo. Só que com uma estética mais próxima a de um cinejornal.

Rossellini, mais radical que Vittorio De Sica (Ladrões de bicicleta, de 1948), menos preso à dramaturgia e às facilidades que um ator pode carregar no rosto, radicalizaria esse procedimento naquele que é o mais neo-realista dos filmes, Alemanha ano zero (1948), em que a desgraça de um menino perambula por uma Berlim destruída é filmada como um documentário de observação.

Mais tarde faria trabalhos extraordinários, menos ou mais encenados, como Stromboli (1950) e a obra-prima Viagem à Itália (1954), ambos estrelados por Ingrid Bergman, sua esposa. Mas a imagem que ficou na história do cinema é a de Anna Magnani caindo na rua, abatida por soldados alemães, em Roma, cidade aberta.

* Revista Bravo!, 1997, p.63.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os segredos da Senhora Wilde

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Boletim Letras 360º #327

Boletim Letras 360º #324

Boletim Letras 360º #325