O fio das missangas, de Mia Couto

Por Pedro Fernandes


O livro de contos O fio das missangas, de Mia Couto, chega ao Brasil através da Companhia das Letras em 2009 (imagem). O livro é composto de um feixe (ou seria um fio?) de 29 histórias (ou seriam 29 missangas?). A dúvida se o livro é um fio e os contos as missangas é instaurada já na epígrafe do livro - A missanga, todos a vêem. Ninguém nota o fio que, em colar vistoso, vai compondo as missangas. Também assim é a voz do poeta: um fio de silêncio costurando o tempo. E se confirma quando somos colocados diante a delicatesse dessas 29 histórias. Estão elas, assim reunidas, mais para a composição do perfil das missangas.

São histórias leves, densas, "arredondadas", diferentes no tom, mas não tão diferentes na forma, que juntas dão conta de silêncios e compõem silêncios - das mulheres, dos homens, dos da margem (o mendigo, a criança, o poeta). Mia Couto põe em suspense a ideia de que o contista está para apenas a observação e a escrita (narração) de histórias e funde essa função com a função do poeta que é a de reinvindicar para si um idioma próprio e dá conta das nuances mais abstratas do homem - o fio que, em colar vistoso vai compondo as missangas.

É pelas vias de uma sensibilidade que aflora na trama das narrativas que Mia Couto reengendra espaços subjetivos. Não vejo nesses contos o espaço Moçambique - que muitos já disseram ser o território subjetivo do escritor - e, no entanto, sei que Moçambique está lá, mas universalizado (porque o que observa o contista está em toda parte, em toda periferia de qualquer parte do mundo): o policromatismo dos espaços subjetivos são fragmentos desse Moçambique diverso e plural. Os silêncios das subjetividades são os silêncios de seu povo, colocado à margem por um movimento de dominação dentro e fora de suas fronteiras. Os desamores, os desencontros, as incompreensões, o cerceamento dos espaços, as vidas desperdiçadas, os sonhos por realizar retomam, no fim de tudo, o drama da própria humanidade que se ensaia, diariamente, na vida de cada ser humano.

***

Com esta post eu abro aqui no blog uma breve coluna chamada Miacontear que objetiva uma apresentação das 29 histórias, que compõem esse livro. Não serão apreciações críticas; apenas notas e impressões que forem sendo colhidas à medida que for compondo a releitura dos contos. Será uma nota por semana até compor o fio do silêncio de leitor sobre o livro. Acompanhe aqui.

Ligações a esta post:
Leia um breve comentário sobre a vida e a obra de Mia Couto publicada aqui.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cortázar forasteiro

Dez poetas necessários da nova literatura brasileira

Os segredos da Senhora Wilde

Coral, de Sophia de Mello Breyner Andresen

Cortázar de A a Z

O que é a Literatura?, de Jean-Paul Sartre

Dez mulheres da literatura brasileira contemporânea