Alejandra Pizarnik, a poesia, pelo humor e o sangue

Por Mercedes Roffe


A condessa sangrenta constitui o epíteto que Valentine Penrose acrescenta ao nome de Erzébet Báthory referente real da protagonista do poema em prosa e fonte para o texto de Alejandra Pizarnik. Igual a Valentine, a poeta argentina se concentra “na beleza convulsiva da personagem” para dar luz a este “texto marginal”.

Marginal e sinistramente belo é o maldito de quatro séculos referendado por esta história e, melhor ainda que ela própria – os crimes de Erzébet – a trama de relações intertextuais que se tece através de uma luxuosa galeria de relembranças e citações que vão de Sade a Rimbaud, de Baudelaire, Artaud, Gombrowicz e, indiretamente, George Bataille.

Autora das antologias A árvore de Diana, Os trabalhos e as noites, Extração da pedra da loucura e O inferno musical para nomear só os mais importantes, Alejandra Pizarnik faz de A condessa sangrenta um Aleph onde se concentram o que serão os tópicos básicos de sua obra poética. Mas se de Aleph ou de espelhos se trata, cabe deter-se em que tipo de espelho se constitui este conjunto de notas ao livro de Penrose.

A obra de Alejandra é um corpus bem articulado de espectros noturnos, medos infantis, meninas perdidas no bosque, damas de lilás e vermelho cantando a canção da morte. Ecos, silêncios, imagens vigorosas seguidas de sombras cadavéricas. Trata-se de um mundo poético no qual o eu e a enunciação – que se desdobra num eu e num tu que não é uma segunda pessoa mas outro rosto de si próprio – teme e sucumbe.

Frente a esse eu temoroso, frágil a ponto de fragmentar-se em outros mil, que rege (ou é regido por) o discurso das antologias, se ergue, como dizíamos, o curioso espelho de A condessa sangrenta: a visão desse mundo feito de pedaços, de restos, surge no livro que comentamos, como se apresentada à luz do dia. Então os fantasmas se diluem, as formas tornam-se precisas, o monstro se torna inofensivo, mais ainda assim, grotesco. O temor torna-se silêncio. A escrita varia; ergue-se o império do cinismo. Técnica, recurso: a ironia.

A perversão sexual da condessa Báthory, o “reino subterrâneo” de seu castelo de Csejthe, as torturas empregadas contra as donzelas, os retratos das velhas serviçais, a condenação da dama de branco (ou de vermelho: o sangue era tanto que capaz de enaltecer a beleza do vestuário até convertê-la nas noturnas cerimônias em toga sacerdotal ou sacrificial), todo esse mundo é vertido no texto como uma imagem revertida, uma caricatura quase de marcas próprias, injusta menção do que havia de constituir um idioleto fechado, restrito, recorrente até a conjuração e o exorcismo.

O recurso através do qual se alcança este efeito de cinismo, amoralidade é a ironia. A ironia surge em A condessa sangrenta do choque violento entre vocábulos de carga conotativa diferente, muitas vezes contrária. Não esquecemos que a conotação não é se não o produto de uma educação, de um determinismo cultural.

Assim, Alejandra provoca esse fenômeno que poderia ser definido como uma descarga elétrica, como um curto-circuito entre palavras que se repelem, se atraem, se anulam, se retroalimentam (por acaso a poesia é outra coisa?).

Evidentemente, o desconcerto surge dessa aproximação de vocábulos que remete a níveis distintos de significação. Se falávamos da conotação como determinismo cultural, unir a lágrima à luxúria, o azeite de jasmim ao odor do sangue, a homossexualidade aos prazeres sádicos, não pode deixar de nos arrancar esse sorriso sob o império do qual parece haver sido produzido o texto.

Com estas palavras poderia resumir-se então a poética, o lugar do qual foram tecidos os enunciados de A condessa sangrenta, poética e contrapoética em si mesmos do resto da produção da autora.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os melhores de 2018: poesia

Treze obras da literatura que têm gatos como protagonistas

Em busca da adolescente que abriu caminho a Virginia Woolf e Sylvia Plath

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira