Quatro dias para Veríssimo de Melo


Américo é autor de Viagem ao universo de Câmara Cascudo
Veríssimo de Melo. Imagem: Tribuna do Norte
Quem foi Veríssimo de Melo pouco gente sabe. Eu pelo menos só conhecia o nome como prefaciador de alguns textos de outros escritores potiguares que já li. Está aí o déficit da parte de todos e, sobretudo dos estudantes de letras, em relação a determinados nomes e figuras da literatura do estado. Não fosse a reportagem publicada hoje, 20 de agosto, no caderno Viver, do jornal Tribuna do Norte o nome ainda continuaria a figurar apenas como alguém que prefaciou livros como a reedição de O livro de poemas de Jorge Fernandes.

Aos desavisados como eu terão agora a oportunidade de saber mais sobre a figura do escritor. Pela passagem dos seus 90 anos que completaria agora em 2011 caso fosse vivo - o escritor morreu em 1996 - está sendo organizado numa parceria entre prefeitura e Capitania das Artes um evento com vasta programação, diga-se, em torno do nome de Veríssimo de Melo. Trata-se da primeira edição do Encontro de Folclore e Cultura Popular - que como outros eventos iniciados nesse mês de agosto - espera-se que renda frutos e outras edições.

O evento em questão reúne uma série de palestras e debates a cargo de estudiosos e acadêmicos, sobre sua vida e obra. A  produção literária do escritor que beira ao número de 100 publicações, nacionais e estrangeiras, em grande parte dedicada ao folclore começará a ser posta em discussão a partir da segunda-feira, 22 de agosto, com o seminário "Viva Vivi", de 9 às 12h, com mesas redondas sob o comando de Diógenes Cunha Lima, Deífilo Gurgel e Roberto Lima.

Na terça-feira, 23, Veríssimo de Melo será debatido de três formas diferentes: "O antropólogo", com Paulo Lopo Saraiva; "O humanista", com José Augusto Júnior, e "O folclorista", por Severino Vicente. Para a quarta, Gutemberg Costa fala de religiosidade popular; Dorian Gray, sobre xilogravura e cordel, e Vicente Serejo, sobre a produção intelectual de Veríssimo de Melo. A quinta-feira receberá Iapery Araújo, falando da relação do folclorista com a medicina popular; Leide Câmara fala da porção compositor, e Woden Madruga, do jornalista. O encontro se encerra na sexta com debate dos historiadores Enélio Petrovich, Jurandyr Navarro e Valério Mesquita.

O evento tem entrada franca e se concentrará no SESC, Cidade Alta.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Boletim Letras 360º #315

Anatomia do ócio, de R. Leontino Filho

Outra volta do cânone

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Um romance sobre horror nazista recuperado depois de oito décadas

Casa na duna, de Carlos de Oliveira