Movimento Literário Novos Poetas

O escritor Mário Gerson, idealizador do Movimento Novos Poetas. A ideia surgiu nas páginas do jornal onde edita seu semanário Expressão, ganhou a web e galga, agora, novos caminhos. Foto do blogue Movimento Literário Novos Poetas.
Sempre me deparo na web com ideias que valem a pena em ser passadas adiante. A mais recente descoberta que fiz - e foi descoberta mesmo que, admito, não costumo muito acompanhar os jornais mossoroenses - foi de um movimento preconizado pelo poeta, contista, romancista e jornalista Mário Gerson. 

Mário é já figura carimbada da literatura potiguar e tem uma vasta produção que começa nos porões do jornal Gazeta do Oeste, onde mantém um caderno semanal e logo cuida com certo esmero da parte artística e cultural do diário.

A ideia agora fomentada por ele merece destaque porque desponta uma face desconhecida do escritor. Digo desconhecida porque o único momento que dei com Mário agitador cultural foi nas edições da feira do livro de Mossoró. No mais, sei que o escritor prefere o sossego do jornal, das suas leituras e da sua escrita. 

A face de agitador cultural surge com o Movimento Literário Novos Poetas, que segundo conta "surgiu nas páginas do jornal Gazeta do Oeste, a partir de uma reportagem sobre o Dia Nacional da poesia, publicada em 13 de março de 2011, no caderno Expressão."

A recepção de materiais após essa edição o fez abrir uma coluna no caderno por ele editado para abrigar os nomes dessa nova geração. Fato é que o periódico só circula nos fins de semana e com a demanda o escritor resolver se juntar a outros nomes (além de Mário Gerson fazem parte do projeto Ellen Dias, Samuel Paiva, Davi Magalhães e Camila Paula) e abrirem um blogue que tem por iniciativa receber essas novas vozes.

Ao acessar a ideia, no menu Quem somos, vê-se que o movimento galga outros caminhos, como a criação de vídeopoemas e encontros para leitura e discussão de poesia. Chamo, pois, todos a conhecer e contribuir com a proposta porque este espaço vem suprir a extensa lacuna que o Rio Grande do Norte padece em torno da literatura. Basta que se diga que fora o caderno Expressão, editado por Mário, há o Universo, do Jornal O Mossoroense. E fim. Os grandes jornais do estado, como Tribuna do Norte e Diário de Natal e a leva de outros jornais menores simplesmente se fazem de cegos ou fazem vista grossa para inserir nas suas edições um encarte do tipo. O que, perdoem-me, é uma vergonha.

Mário e seus idealizadores estão de parabéns pela ideia. Que ela renda muitos bons frutos, que tenho certeza renderá.

Comentários

Mário Gerson disse…
Olá, Pedro. Suas palavras deixa-me sem jeito. Sou homem das letras alvoroçadas. Basta que se diga que estou voltando com o jornal CLANDESTINO. Você deve ter conhecido este pequeno jornal animado, com artigos e muitos poemas. Estes meninos de agora são bons. Merecem todo espaço. Valeu pela postagem, pelos comentários e incentivos. Grande abraço.
Pedro Fernandes disse…
O espaço estará sempre ao seu alcance, meu caro. E que bom que vem um "Clandestino" a caminho. Valerá a pena falar (noutro momento) dessa retomada sua.

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Desaguadouro de redemunhos. Grande sertão: veredas

Por que Calvin e Haroldo é grande literatura: sobre a ontologia de um tigre de pelúcia ou encontrando o mundo todo em um quadrinho

Boletim Letras 360º #323

Engagement, de Theodor W. Adorno*