Preencha o formulário para participar da promoção. Se você não chegou aqui pelo Facebook, não deixe de findar sua inscrição cumprindo o restante do regulamento desta promoção.

Mais Drummond




Ainda dentro das comemorações do ano de Carlos Drummond de Andrade, a Cosac Naify, depois de publicar Poesia traduzida, livro com poemas traduzidos pelo poeta mineiro, anuncia dois outros títulos: Confissões de Minas e Passeios na ilha.

O primeiro foi publicado originalmente em 1944, e figura na bibliografia do autor mineiro como seu primeiro livro em prosa; a obra chegou a ser incluída na edição da Obra completa e nunca mais ganhou a forma de volume independente. A edição da Cosac Naify restaura o volume independente que reúne textos escritos entre os anos 1920 e 1940, acompanhado de textos críticos de Antonio Candido, Sérgio Milliet e Lauro Escorel. 

Neste livro, o escritor da grande poesia de A rosa do povo e Claro enigma faz prosa da melhor qualidade e de diferentes maneiras. O romancista Cyro dos Anjos, amigo de Drummond, comentou à época do lançamento: “não acredito que se encontrem páginas mais belas na língua portuguesa”. Em Confissões de Minas Drummond se confessa por intermédio da poesia e do modo de ser de outros escritores, e também ao falar de suas origens e da paisagem humana com a qual se solidariza no anonimato da metrópole. A prosa deste livro se alimenta do “sentimento do mundo”, ou seja, das grandes correntes históricas de sua época, marcada pela transformação do Brasil rural em urbano-industrial, pela crise de 1929, pela ascensão de nazismo e comunismo, culminando na Segunda Guerra Mundial. Um Drummond menos conhecido mas não menos fundamental.

Já o segundo, Passeios na ilha, trata-se do terceiro livro de prosa de Carlos Drummond de Andrade, publicado originalmente em 1952. Passeios na ilha combina textos históricos, crônicas, aforismos e crítica literária.  A ilha de que fala o livro tem sentido obviamente metafórico e não está nem muito longe nem muito perto do litoral. Nas palavras do próprio escritor: “Minha ilha (e só de a imaginar já me considero seu habitante) ficará no justo ponto de latitude e longitude, que, pondo-me a coberto de ventos, sereias e pestes, nem me afaste demasiado dos homens nem me obrigue a praticá-los diuturnamente”. 

É desse lugar que Drummond observa a vida literária, num tom que combina a compreensão e a ironia somente facultadas pela perspectiva histórica. Assim, o livro abre um caminho arriscado entre as posições da chamada arte participante, alardeadas pela militância do Partido Comunista fora e dentro do Brasil, e a atitude de cultivo estrito da forma estética defendida pelos poetas da geração de 1945.


* Texto escrito com notas das sinopses apresentadas para as edições referidas de Carlos Drummond de Andrade e publicadas inicialmente no site da editora Cosac Naify. 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

11 Livros que são quase pornografia

Os muitos Eliot

Além de Haruki Murakami. Onze romances da literatura japonesa que você precisa conhecer

Boletim Letras 360º #308

Uma entrevista raríssima com Cora Coralina

As melhores leituras de 2018 na opinião dos leitores do Letras

Boletim Letras 360º #309

Os melhores de 2018: prosa

O excesso que vive: Mac e seu contratempo, de Enrique Vila-Matas