O mágico de Oz, de Victor Fleming



Fábula musical sobre garota que vai parar em uma terra distante eternizou canção "Over the rainbow"

A fábula infantil de L. Frank Baum já foi adaptada para as telonas dezenas de vezes, mas nenhuma com tanta propriedade quanto nesta superprodução da MGM, até hoje exibida com frequência na televisão norte-americana. O mágico de Oz celebrizou o processo Technicolor e, sobretudo, fez de Judy Garland uma estrela. Com apenas 16 anos, Garland, que substituiu Shirley Temple (por problemas de liberação entre estúdios) no papel de Dorothy, transformou-se em um das cantoras atrizes mais populares de Hollywood. A pressão da fama, entre outros motivos, levou-a ao vício e à morte por overdose de remédios em 1969.

Dorothy é uma menina do Kansas que, ao perseguir seu cachorro Totó, é colhida por um furacão e chega a uma terra distante. Lá conhece um elenco incrível de personagens: o carinhoso Espantalho, o Homem de Lata, o Leão Covarde. Juntos, eles seguem a estrada de tijolos amarelos em busca da Cidade de Esmeralda, onde o Mágico de Oz os ajudará a atingir seus objetivos - um cérebro para o espantalho, um coração para o Homem de Lata, coragem para o Leão e a volta para casa de Dorothy. A trilha sonora de Harold Arlen transformou-se num punhado de standards da música americana. O maior destaque é Over the rainbow, canção eleita pelo American Film Institute a principal de um filme americano do século XX. A interpretação de Judy Garland rendeu um Oscar para a composição.

A produção teve problemas parecidos com os de outro longo rodado por Victor Fleming em 1939, ... E o vento levou. Antes de ele assumir o posto, Mervyn LeRoy e Richard Thorpe já haviam passado pela cadeira de diretor, e terminou o trabalho quando Fleming foi contratado para filmar o drama de Scarlett O'Hara. Embora tenha colocado as mãos em dois dos maiores clássicos do século XX, Fleming raramente é levado ao panteão dos grandes cineastas americanos. Para o ator Clark Gable, ninguém dirigia melhor do que ele.

Entre as histórias que envolvem o musica está a de que a banda inglesa Pink Floyd teria composto o mega-sucesso Dark side of the moon como trilha incidental do filme. Mitos como este e o apelo que possui sobre qualquer geração de crianças (e adultos também) fizeram de O mágico de Oz o conto de fadas mais apaixonante do cinema.

*Revista Bravo!, 2007, p.74.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Carolina Maria de Jesus, a escritora que catava papel numa favela

José Saramago e As intermitências da morte

José Saramago e Jorge Amado. A arte da amizade

Sor Juana Inés de la Cruz, expoente literário e educativo do Século de Ouro espanhol

Cecília Meireles: transcendência, musicalidade e transparência

A relevância atual de Memórias do cárcere, de Graciliano Ramos

Ensaios para a queda, de Fernanda Fatureto

Visões de Joseph Conrad

Os diários de Sylvia Plath

Boletim Letras 360º #246