Preencha o formulário para participar da promoção. Se você não chegou aqui pelo Facebook, não deixe de findar sua inscrição cumprindo o restante do regulamento desta promoção.

Sigamos - 4 anos de Letras in.verso e re.verso


Não. Não passou despercebido. É verdade que tenho andado, ultimamente, às voltas com o tempo. Conduzindo dois cursos na Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, à frente de um evento nacional, orientando alguns trabalhos e tentando me equilibrar numa corda bamba à cata de uma sustança maior e segura, as coisas por aqui têm andado a passos de tartaruga. Mas passar despercebido um instante como este, isso não, não é permitido.

É que hoje, 27 de novembro, fecham-se 4 anos do blogue Letras in.verso e re.verso e entramos, logo, com uma sede lenta, para o 5º ano de web. Não há necessidade de repetir aqui – pela milésima vez – do sucesso que tem sido essa empreitada surgido como quem não quer nada naqueles fins de novembro de 2007 com a pretensa ideia de ser um espaço para divulgação e agregar materiais de um curso sobre a obra da poeta potiguar Auta de Souza. Não há necessidade de repetir porque as obras estão aí nos quatro cantos do blogue – é uma revista de poesia, um selo para edições eletrônicas, um espaço para sarau virtual, entre outros.

O fato é que nada foi feito para comemorar esses 4 anos. Não elaborei promoções, nem trouxe nada de novo. Até o layout já é carimbado desde meados do ano. Mas, não fiquemos com a falsa ideia de que nadica de nada mesmo poderá aparecer. Afinal, da última vez que pensaram nisso, eis que apareço sob forma de e-book e fundando o Selo Letras in.verso...

Sigamos, portanto.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

11 Livros que são quase pornografia

Os muitos Eliot

Além de Haruki Murakami. Onze romances da literatura japonesa que você precisa conhecer

Uma entrevista raríssima com Cora Coralina

Boletim Letras 360º #308

As melhores leituras de 2018 na opinião dos leitores do Letras

Boletim Letras 360º #309

Os melhores de 2018: prosa

O excesso que vive: Mac e seu contratempo, de Enrique Vila-Matas