Preencha o formulário para participar da promoção. Se você não chegou aqui pelo Facebook, não deixe de findar sua inscrição cumprindo o restante do regulamento desta promoção.

Guerra e Paz, de Tolstói


Vista lateral de Guerra e paz publicado pela Cosac Naify em tradução direta do russo para o português pelo Rubens Figueiredo. A obra também traz um texto de apresentação feito pelo escritor.

É sim um grande romance – em todos os sentidos. No tema, na forma e na dimensão do enredo, 2 536 páginas. É mais um objeto de desejo construído pela Cosac Naify e que chega ao Brasil em tradução direta do russo para o português. O trabalho conduzido pelo escritor/tradutor Rubens Figueiredo que levou três anos para realizá-lo.

Agora, fazer o design de um livro nessas dimensões é coisa para poucos. Em texto da responsável pela arte da Cosac Naify publicado no blog da editora o dificuldade foi fazer um livro desse porte se tornar um convite à leitura. A inspiração veio olhando para as edições de bíblias – que conseguem condensar suas páginas em grandes volumes compactos e flexíveis; a partir daí, asas à criação e o resultado foi um livro em papel espanhol, o bibloprint, um papel que tem  espessura, textura, cor e flexibilidades ideais para o procurado. 

Outro detalhe na obra são as suas ilustrações: os tomos são marcadas por trabalhos russo Serguei Adamovitch, feitas originalmente para uma edição de contos do Tolstói encontrada num sebo em viagem de férias a São Petersburgo em 2005 (quando a editora já planejava lançar este livro). Depois, uma encadernação que se justapõe a esse trabalho de escolha do papel. 

E o resultado são dois volumes de um romance em que o Tolstói certamente deve ter feito uma longa pesquisa documental e deve ter levado, pela exigência criteriosa que tinha no processo de composição e estruturação da escrita, anos para concebê-lo. Um desafio para o leitor contemporâneo e um convite a visitar uma das obras fundamentais da literatura universal.  

Detalhe de um dos trabalhos do artistia russo Serguei Adamovitch, feitas originalmente para uma edição de contos do Tolstói e encontrada num sebo em viagem de férias a São Petersburgo em 2005, quando a editora já planejava lançar Guerra e Paz.

E por falar do plano de construção do romance, uma carta escrita a Sônia Andréievna Berhs, esposa do escritor, revela o que se passava pela cabeça de Tolstói quando chegam em Moscou em 1867. Antes disso, o escritor russo já havia visitado o campo de batalha de Borodinó, onde aconteceu o embate entre russos e franceses que levou o enfraquecimento do exército de Napoleão. Bom, feitas essas apresentações, e diante de um ignorante que não leu a obra do escritor russo e só admirou-a na livraria, só resta dá voz ao texto de apresentação do romance pela editora que além de se preocupar com livros-arte também se preocupa com a grandiosidade das obras:

“Milhões de pessoas praticaram, umas contra as outras, uma quantidade tão inumerável de crimes, embustes, traições, roubos, fraudes, falsificações de dinheiro, pilhagens, incêndios e assassinatos, como não se encontra nos autos de todos os tribunais do mundo em séculos inteiros [...]. O que produziu tal acontecimento extraordinário?”. Empenhado em responder a esta pergunta, através da busca pela verdade histórica dos fatos, e em argumentar com os historiadores de sua época, que no seu entender resumiam os acontecimentos nas ações de algumas figuras poderosas, Tolstói escreveu um dos maiores romances da literatura mundial. Guerra e paz descreve a campanha de Napoleão Bonaparte na Rússia e estende-se até o ano de 1820. Baseado em meticulosa e exaustiva pesquisa – com fontes que vão dos estudos do francês Adolphe Thiers e do russo Mikháilovski-Danílevsk a testemunhos orais –, Tolstói reconta os episódios que culminaram na derrota francesa e retrata, à sua maneira, personagens reais, como o próprio Napoleão e uma série de comandantes militares.

Abaixo o texto de apresentação feito pela Cosac Naify para o romance de Tolstói:




* Texto escrito com base nos textos "Produção de Guerra", de Elaine Ramos; "Querida Borodinó,", de Paulo Colonelli. Todos, publicações do Blog da editora Cosac Naify.

Comentários

Anônimo disse…
Pedro, amei seu blog! Parabéns!:)

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

11 Livros que são quase pornografia

Os muitos Eliot

Uma entrevista raríssima com Cora Coralina

Além de Haruki Murakami. Onze romances da literatura japonesa que você precisa conhecer

Boletim Letras 360º #308

Boletim Letras 360º #309

As melhores leituras de 2018 na opinião dos leitores do Letras

Os melhores de 2018: prosa

O excesso que vive: Mac e seu contratempo, de Enrique Vila-Matas