2 poemas de Marize Castro

Duelo

Quando em ti transbordo
te fazes alheio
a minha nudez.

Sou vulnerável
e nem te ouso atacar
moço do março
submerso em mim.

Ainda é cedo
para te proclamar livre.
Já é tarde
para adiar teu vôo.
Não renuncio a ti
ao teu montanhoso dorso
onde em cada curva
travo uma luta.
Às vezes ganho.
Às vezes sou vencida
pelo teu silêncio de granito.

O que há na vida que eu não te sirva?

Pretensões felinas, não tenho.
Aparo as garras
que alcançam as margens.
Estou destinada
a este vão combate.
Mas continuarei a te amar
como um invento meu.
Com toda a firmeza e fragilidade
que inquieta os desafios.

Quando chegarmos
ao limite mais árido das nossas carnes
te repudiarei de mim.

Salvar-me-ei do fim.

Deslizarei pelos trilhos
do teu corpo de narciso.


Entre lendas e amêndoas

Menino
narciso
vacilo
sempre que cintilas.
Entre lendas e amêndoas
oculto teu bastão.
Além do alvo
jaz
uma inviolável paixão?





_______________
In marrons crepons e marfins.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os segredos da Senhora Wilde

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão

Boletim Letras 360º #324

Desaguadouro de redemunhos. Grande sertão: veredas

Boletim Letras 360º #325