Reminiscências de Oswald de Andrade

Oswald de Andrade em retrato pintado por Tarsila do Amaral

O título deste post poderia ser outro.  Mas, a sugestão que algumas imagens da Exposição Oswald de Andrade - O culpado de tudo, sob curadoria de José Miguel Wisnik parece denotar um Oswald ainda em total pulsação com certos rumos artístico-literários contemporâneos. Além do que a exposição é fechamento de um ciclo de homenagens a uma das peças - senão a mais a importante, uma das principais peças - do Modernismo no Brasil. A exposição está em cartaz no Museu da Língua Portuguesa, em São Paulo, até o dia 30 de janeiro.

Segundo o realise disposto na página do museu, o ponto de partida para essa exposição é a frase "Direito de ser traduzido, reproduzido e deformado em todas as línguas", escrita por Oswald em 1933 no verso da folha de rosto da edição original de Serafim ponte grande. A frase, aliás, é a que saúda os visitantes da exposição.

Para Miguel Wisnik, “o projeto teve por objetivo organizar uma exposição sobre Oswald de Andrade, reforçando seu papel decisivo para a formação da cultura contemporânea e destacando a consistência de sua obra, de maneira a que a sua atualidade esteja patente sem que se perca de vista a situação histórica em que ela foi gerada.

Oswald de Andrade - O culpado de tudo contempla três dimensões de leitura: poética, histórico-biográfica e filosófica, todas apresentadas como níveis de manifestação da vida e obra do autor de O perfeito cozinheiro das almas deste mundo.

Para ler mais sobre a exposição, vá à página do Museu de Língua Portuguesa na internet, por aqui.

Ligações a esta post:
>>> Sobre Oswald de Andrade, post para a coluna Os escritores

* Texto escrito com notas a partir do release apresentado na página do Museu da Língua Portuguesa e sob imagens disponibilizadas na edição 74, de dezembro de 2011, da Revista Língua Portuguesa.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os melhores de 2017: poesia

Os melhores de 2017

Uma entrevista inédita com Liev Tolstói

Destaques em projetos editoriais de 2017

Os melhores de 2017: prosa

Os melhores diários de escritores

Os contos natalinos de Charles Dickens

Os sete capítulos esquecidos de Cem anos de solidão

Os livros favoritos de Gabriel García Márquez

A atualidade da tragédia grega