A literatura e suas transmutações - "O corvo", de Poe




Não são novidades nenhuma duas coisas: a abertura da literatura para o diálogo com outras artes e a recente quantidade significativa de adaptações de livros para o cinema. Seis dos nove indicados para o Oscar 2012 são adaptações literárias. O que não é comum dos textos adaptados aí é adaptação de poemas. A conclusão ou o porquê disso é óbvio: a narrativa já possui em si os mesmos elementos constituintes do cinema e aquilo que o cineasta deverá se preocupar em fazer é uma tradução de semioses. Mas, para breve chega aos cinemas a adaptação de um poema: O corvo, de Edgar Allan Poe.

Não é a primeira, é verdade. A primeira versão para as telas desse poema foi em 1915, dirigida por Charles Brabin. Agora, a readaptação traz novamente Poe, como no de Brabin, vivido aqui pelo John Cusack, mas pelo que o trailer divulgado no início desse mês sugere, a transmutação do poema em trama é mais evidente. O filme de Brabin se dispunha muito mais a biografar o escritor norte-americano e o poema surgia como fruto de uma série de delírios induzidos pelo álcool.

O corvo foi publicado originalmente em 1845. A obra já foi reimpressa várias vezes e por nomes como os de Machado de Assis, Fernando Pessoa, Baudelaire, Mallarmé... É a obra mais conhecida de Poe. E já recebeu toda sorte de adaptações que se possa imaginar: cinema é só uma delas, 1915, 1960 e agora, 2012, mas o poema já foi curta-metragem, em 1942, HQ (Pato Donald, Piu-Piu, The Ravin, Simpsons...), Música...

E, voltando ao formato livro, a obra sai agora pela LeYa. Numa edição caprichadíssima reúnem-se além do poema original, as versões clássicas que aqui enumeramos. A edição é organizada por Ivo Barroso que publica junto a esse material o seu célebre artigo “A filosofia de composição”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os melhores de 2018: poesia

Treze obras da literatura que têm gatos como protagonistas

Em busca da adolescente que abriu caminho a Virginia Woolf e Sylvia Plath

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira