"Asymptote" e Flávio Araújo



A web é, cada vez mais, o lugar onde mais proliferam invenções literárias. Se antes da existência da internet os escritores ou aspirantes a se punham a engavetar papeis, agora, muitas dessas gavetas estão abertas por aí. Às vezes abertas só para um pequeno e afetuoso público, muitas outras para um público sem tamanho, o suficiente para despertar nos grandes conglomerados editoriais o interesse em transformar toda essa parafernália digital em papel. 

Descubro recentemente mais uma dessas gavetas que como o Letras in.verso e re.verso anda a buscar pessoas talentosas para si, do modo como faz o caderno-revista 7faces. Asymptote. É este o nome do lugar. Ao modo do periódico nascido daqui, Asymptote se apresenta como uma revista internacional dedicada à tradução literária e a reunir em um só lugar o melhor da escrita contemporânea. "Estamos interessados ​​em encontros entre as línguas e as conseqüências desses encontros." Asymptote é o nome dado à linha pontilhada no gráfico de uma função matemática que pode tender para, mas nunca chegar. 

Embora uma tradução nunca possa substituir integralmente o original, Asymptote baseia-se pelo princípio de George Bernard Shaw: "Se você tem uma maçã e eu tenho uma maçã e nós trocamos as maçãs, então ainda cada um tem uma maçã. Mas se você tem uma ideia e eu tenho uma idéia e nós trocamos essas ideias, então cada um de nós terá duas ideias." Segundo o editorial "as obras imateriais de arte (poemas, contos, etc.) têm o potencial de afetar milhões de pessoas uma vez que ao contrário maçãs, elas estão livre do problema da escassez de ideias (Lewis Hyde)." E acrescenta "O valor da tradução é que desencadeia a partir de ideias emoções a um vasto mar de outros pessoas que não têm acesso à língua em que essas idéias e emoções residem."

Asymptote publica poesia, ficção, drama, artes plásticas, crítica, entrevistas e... Flávio Araújo. Traduzido para o inglês por Rachel Morgenstern-Clarren, pós-graduanda pela Universidade de Colúmbia, a edição de abril, a de número 12, traz poemas de Zangareio publicação em conjunto com o poeta pelo selo OFF FLIP, de 2008. Flávio Araújo publicou na terceira edição do caderno-revista 7faces, vinda ao lume em meados de 2011.

***
Nunca é demais lembrar que a recolha de materiais para o 5º número do caderno-revista 7faces está aberta até o próximo dia 31 de maio. O periódico recebe contribuições de poesia e artes plásticas e cada autor deve se guiar por um regulamento específico. Outras informações sobre, estão disponíveis na página do caderno-revista.

Ligações a esta post:
Para ler Flávio Araújo na segunda edição do caderno-revista 7faces, basta acessar aqui.

Para ler Flávio Araújo em Asymptote, acessa aqui.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Sophia de Mello Breyner Andresen, “um tumulto de clarão e sombra”

Um tesouro chamado Yasunari Kawabata

Machos nus: Walt Whitman, José Martí e Thomas Eakins

Philip Roth, agora mesmo começam outros círculos

Manual de instruções para ler Lolita

Boletim Letras 360º #272

O fracasso de escrever

Elena Ferrante, a leitora

Kyra, Kyralina, de Panaït Istrati