José Luís Peixoto



José Luís Peixoto revela-se com uma singularidade, não inédita, mas da maneira que faz, a torna única, fundir a prosa com o poesia com o intuito de revelar certo universalismo das experiências particulares ou locais. Este é um traço, aliás, recorrente na prosa literária portuguesa de sua geração. No seu caso, por vezes esses dois limites da linguagem combinam-se para determinar o funcionamento da obra, isto é, são responsáveis pelo seu aspecto formal e estrutural. Este gesto decompõe as fronteiras imaginariamente desenhadas entre um modelo discursivo e outro.

Está em toda sua literatura, desde Morreste-me seu livro de estreia. Trata-se de uma escrita que põe em suspensão as maneiras de ser do escrito; está, em muitos casos, impregnada de uma musicalidade que recorda certo princípio da musculatura oral ou a reimaginação dessa oralidade pelo tecido da escrita. Algo herdado possivelmente de um gosto à parte de Peixoto: compor canções. Nesse segmento tem, ao longo de sua carreira escritural, desenvolvido saudáveis parcerias.

Interessante citar essa proximidade com a música porque isso é coisa que se repete noutros escritores de sua geração: Valter Hugo Mãe e Afonso Cruz, por exemplo. Produto de figuras com múltiplos talentos? Possivelmente. A geração dos mais novos escritores é desde sempre uma geração marcada pelo gênio da inquietude.

Músicos à parte, voltemos à literatura. Eduardo Prado Coelho assim se pronunciou sobre o exercício literário do escritor de Cemitério de pianos: “a grande força de José Luís Peixoto está no modo como narra histórias que se dobram para dentro da sua própria loucura e no fio puríssimo de luz com que as vai reunindo e salvando do esquecimento”. A linguagem espelhada que produz a inversão e, consequentemente, a reinventividade dos pólos.

Penso: talvez o céu seja um mar grande de água doce e talvez a gente não ande debaixo do céu mas em cima dele; talvez a gente veja as coisas ao contrário e a terra seja como um céu e quando a gente morre, quando a gente morre, talvez a gente caia e se afunde no céu. (fragmento de Nenhum olhar)

Como um escritor em plena atividade, qualquer compreensão mais determinada é complicação a que a crítica não deve se meter. É necessário, entretanto, seguir seus os passos até que seja possível ter uma visão um tanto mais elaborada sobre algo que se possa chamar de projeto literário. E temos já uma quantidade de livros; além dos já citados aqui, Uma casa na escuridão, Cal (um composto de 17 contos, três poemas e uma peça de teatro, todos tendo em comum o tema da velhice, conforme bem situa José Luís Foureaux em comentários sobre a obra.

Se já temos acesso à sua obra em prosa, falta chegar ao Brasil a sua poesia, até então resumida a textos em edições esparsas, mas em Portugal publicada em A criança em ruínas, livro de estreia no gênero em 2001, A casa, a escuridão e Gaveta de papéis, sendo que o segundo volume tem total ligação com o romance lançado no mesmo ano, Uma casa na escuridão, conforme notificou o próprio escritor em entrevista dada ao Portal Cronópios quando numa de suas vindas ao Brasil.

Não haveremos de esquecer que o escritor está ladeado dos novos expoentes literários em formação, como os já citados Valter Hugo Mãe e Afonso Cruz, mas também Gonçalo M. Tavares, Maria Dulce Cardoso, Jorge Reis-Sá e tantos outros. Como alguns deles, sua revelação maior tem sido dada, além da obra, pela projeção de alguns prêmios, entre eles o Prêmio Literário José Saramago que o escritor ganhou em 2001.

José Luís Peixoto nasceu em setembro de 1974 em Galveias (Ponte de Sor). É licenciado em Línguas e Literaturas Modernas (Inglês e Alemão) pela Universidade Nova de Lisboa.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os mistérios de “Impressão, nascer do sol”, de Claude Monet

Desvio, de Juan Francisco Moretti

Dom Casmurro, de Machado de Assis

Boletim Letras 360º #416

Escrever de ouvido: Clarice Lispector e os romances da escuta, de Marília Librandi

A inaudita guerra da Avenida Gago Coutinho, de Mário de Carvalho