O Letras, 5 anos depois




Todos que frequentam o Letras ou que passarem por aqui e tiverem a curiosidade em acessar “Sobre este blogue” já sabem como tudo começou e em que pé está a ideia. Mas, não custa lembrar. Era novembro de 2007 e eu ministraria um curso sobre a poeta Auta de Souza. Por causa disso, estava à procura de criar um espaço na web para divulgação do andamento das atividades e materiais do referido curso. E tudo foi tomando a proporção que tomou e hoje aqui estou: cinco anos depois. Um blog cujo interesse se centra em três eixos – literatura, artes e comportamento.

Pelo alcance da internet não quer ser apenas um espaço local, bairrista, para falar do que é a literatura, as artes no Rio Grande do Norte; nem quer também ser um mero espaço individual, onde o seu mantenedor é a figura em destaque. Não. A abertura de horizontes dada ao Letras nos dois últimos anos pela inserção em outros meios – Tumblr, Youtube, Facebook, Google+ etc. – fez com que o blog incorporasse um interesse efetivo por se integrar às principais redes do tipo, já conhecidas no Brasil. A prova desse alcance se deu neste ano de 2012, quando mais que triplicamos o número de acessos diários, a quantidade de seguidores nas redes sociais e, por fim, a inclusão do blog na lista dos 100 melhores pelo TOP BLOG.

Poderá chegar o dia em que eu me canse disso tudo; mas, por enquanto, aquele mesmo encanto que descrevo na apresentação do Letras ainda é suficiente para singrar outros tantos anos. Pode ser que até lá soframos baixas, afinal isso aqui é mantido por um exército de um homem só, o que quer dizer, tenho muitas outras atividades paralelas e decisões profissionais ainda por se cumprirem a fim de que eu possa assumir em definitivo uma estabilidade do trabalho no blog. Mas, vamos indo e, no momento, só quero mesmo é agradecer a todos os leitores, os assíduos e os transeuntes. Tudo aqui é feito pensando o melhor para vocês.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma pedra no caminho para a modernidade: o projeto drummondiano de humanizar o Brasil

Os melhores diários de escritores

A partir de quando alguém que escreve se converte num escritor?

Escritos nas margens

A relevância atual de Memórias do cárcere, de Graciliano Ramos

Angela Carter, a primazia de subverter

O túmulo de Oscar Wilde

História da menina perdida, de Elena Ferrante

José Saramago e Jorge Amado. A arte da amizade

Ivan Búnin