A prisão de um comunista que provavelmente não militava


Por Luiz Sávio de Almeida*

 
Graciliano Ramos. Foto tirada durante o período em que
o escritor esteve preso. Arquivo do DOPS. Rio de Janeiro, 1936.

É praticamente demonstrado que o Partido Comunista se estruturou em Alagoas a partir de 1928, somando antigos anarquistas de 1919 e novos componentes. É em 1928 que se funda a primeira célula, na rua São José, residência de Américo Sapateiro que, posteriormente, irá pertencer à Ação Integralista. Antes, ocorriam contatos a partir de Recife e Bahia, sendo possível que Américo tenha realizado a coordenação que resultou na célula em sua casa. Após a greve de Jaraguá e dos demais acontecimentos que marcaram a história da esquerda em Alagoas nos finais da segunda década do século passado, o movimento operário, segundo apreciação de um jornal de feição comunista (editado esporadicamente, desde 1927) havia perdido força, especialmente após o controle – aduzimos – policial das reuniões operárias e do pacto entre maltistas e democratas para a derrota do socialismo, comungado após Jaraguá. Este socialismo deveria ser liquidado em nome dos valores da civilização cristã ocidental.

O Proletário falava na necessidade de se retomar o movimento e mencionava o sucesso eleitoral de Otávio Brandão no Rio de Janeiro. O fato é que surge a célula na residência do Américo Sapateiro cuja militância é conhecida desde 1910, quando pertencia aos quadros da Federação dos Trabalhadores. A célula era denominada AA e dela fazia parte Sérgio Pueirame, Presidente do Sindicato dos Trapicheiros e velho militante na esquerda, José Costa Neto que dirigia O Proletário, Olympio Santana também antigo militante. Posteriormente, o Partido cresce o suficiente para que se tenha a eleição do primeiro Comitê Regional. Nessa oportunidade, tem-se um grande problema interno, pelo fato de que Américo Sapateiro perde a secretaria para Horácio Gomes de Melo, afasta-se da organização mas continua aliado. Olympio Santana será tesoureiro e são montadas comissões: Juventude, Agrária, Mulher Trabalhadora. Horácio era também sapateiro, paulatinamente Américo se afasta, passa a ligar-se ao sindicalismo governamental e posteriormente vai se filiar á Ação Integralista, fazendo parte de sua polícia secreta.

A vida do Partido vai ser abalada em razão da Revolução de Trinta, mas ele tem condições de vida orgânica e secreta, emergindo com poder de fogo político no ano de 1932, período de intensa disputa na área trabalhista pelas implicações da política governamental na área sindical, em choque com comunistas e independentes. É por inspiração de governo que nasce em 1932 a Federação dos Trabalhadores de Alagoas, mas surge, também a União Geral dos Trabalhadores que no dia 1º de maio faz passeata. Em dezembro de 1932 começam as greves e os movimento que levarão a outra formidável ação policialesca, com o tradicional prende-prende e deportação de liderança.

O Partido se retrai, continua a vida clandestina e viverá o clima de 1935. Antes, contudo, a vida política de Alagoas ganha complexidade, quando se organiza em Maceió, pela iniciativa de José Lins do Rego, a Ação Integralista. O encontro de Plínio Salgado, com a plateia alagoana foi realizado na Perseverança, presidido por Domingos Fazio Sobrinho, falando Moacir Palmeira e José Lins do Rego. Evidentemente, os confrontos eram permanentes e é no clima que se delineia depois de 1935 que vai se dar a prisão de Graciliano Ramos.

Em nenhum momento, o nome Graciliano Ramos aparece nas lutas políticas. Os nomes de intelectuais que se diziam ser comunistas eram Alberto Passos Guimarães e Waldemar Cavalcanti. Em longas conversas comigo, Alberto jamais mencionou o nome de Graciliano Ramos como militante. Nem a Raquel de Queiroz (trotskista à época) falou de qualquer atividade partidária do Graciliano, e mantivemos alguns bons papos sobre Maceió, embora ela detestasse recordar aquela época pelo imenso sofrimento pessoal que viveu. Num dos papos, conta as versões corridas sobre a prisão de Graciliano e lança: “Meu filho, somente diga estas coisas depois que eu morrer!”. Fiquei embaraçado, ela notou e arremessou o torpedo: “Fique tranquilo, menino, eu morro logo!”. Começamos a rir e fale: “Então não me interessa saber. A conversa não tá gravada, como é que vou provar que você disse? Pode guardar para você as suas coisas!”. E rindo terminamos este telefonema.

Na verdade, ela desejava fazer alusão ao que circulava: a) prisão por natureza política ideológica; b) prisão em face da fofoca política ou perseguição pessoal; c) prisão em face de problemas pessoais. Quem sabe tudo não se mistura numa aura que parece misteriosa? O fato é que o pessoal, o político ou ambos conspiraram para que surgisse um texto que representaria as vidas de encarcerados, numa referência à memória dos que eram ditos portadores de pensamento ilegal. O fato é que, com relação à sua prisão, Graciliano contou ou que deseja fosse sabido.

Notas:
Graciliano Ramos foi levado em 1936 para o Complexo Penitenciário da Frei Caneca; depois é transferido para a Colônia Correcional Dois Rios, na Ilha Grande. A fama do lugar vinha pelas sessões de tortura e até morte cometidas pelos militares. A prisão em Ilha Grande terá deteriorado o estado de saúde do escritor. Cientes disso, a esposa Heloísa e o amigo de pôquer Edgard de Góis Monteiro, irmão do então general Pedro Aurélio, conseguem transferir Graciliano de volto para o Frei Caneca. Na época o escritor havia escrito apenas um livro, Angústia cuja cópia foi entregue por Heloísa à Editora José Olympio e que só é publicado graças ao interesse forte da amiga Rachel de Queiroz. Foi na prisão, impossibilitado de ir ao lançamento do seu primeiro livro que todo o Memórias do cárcere foi esboçado. O livro é publicado em 1953. 

A seguir preparamos um catálogo com três textos em torno de Memórias do cárcere, escritos por Alfredo Bosi, Jacob Gorender e Boris Schnaiderman seguido de imagens, como cinco ilustrações de Percy Deane  e fragmento do romance.




* Historiador e professor emérito da Universidade Federal de Alagoas. O texto "A prisão de um comunista que provavelmente não militava" foi publicado inicialmente na revista Graciliano. Ano 1. N. 1. Set. 2008.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma pedra no caminho para a modernidade: o projeto drummondiano de humanizar o Brasil

Os melhores diários de escritores

A partir de quando alguém que escreve se converte num escritor?

Escritos nas margens

A relevância atual de Memórias do cárcere, de Graciliano Ramos

Angela Carter, a primazia de subverter

O túmulo de Oscar Wilde

História da menina perdida, de Elena Ferrante

José Saramago e Jorge Amado. A arte da amizade

Ivan Búnin