Uma dama em Paris, de Imar Raag



Parte da crítica terá se esforçado para uma recepção ao menos fria sobre esse último trabalho de Ilmar Raag. Mas, peço licença para ir em direção contrária e ensaiar outro esforço, o de uma recepção calorosa ao filme. Uma dama em Paris é o terceiro longa do diretor que já dirigiu e escreveu para a televisão August 1991, sobre a tentativa de repressão da independência estoniana pelos russos e Klass, sobre um estudante em defesa de seu colega vítima de bullying numa sala de aula. E nesse contexto, o filme é o mais diferenciado já produzido por ele. Produzido numa parceria larga, aliás, entre Estônia, seu país de origem, Paris e Bélgica. Em cena a grande atriz do cinema francês, Jeanne Moreau, no alto de seus 85 anos e que, diga-se, é também a responsável pela inteireza do filme de uma ponta a outra.

Jeanne é quem interpreta Frida, uma idosa que teve grande vida artística, mas o gênio forte terá reduzido ela a uma presença sozinha numa casa em Paris. Frida não é francesa, é estoniana, e saiu de casa para levar a vida no teatro numa situação duplamente difícil: a não aceitação da família de sua profissão, de um tempo, em que ser atriz estava associada ao mesmo estigma da prostituição, e quando o seu país está sendo invadido pelos russos. Se as duas razões terão feito da família um elemento afastado dela, a última tem um agravante principal: depois de tudo, Frida poderia ter tentado uma maneira de aproximação das suas raízes, mas o orgulho mais forte que a necessidade, terá dado a ela condição suficiente para considerar suas raízes mortas, apenas uma assombração a lhe rondar, principalmente quando chega à sua vida Anne.



Anne é uma cuidadora de idosos que, depois da morte da mãe, é convidada pela agência de trabalho a que pertence para cuidar de uma senhora em Paris. A decisão de Anne não é muito pensada: já quase afastada dos filhos, sem mãe e desempregada, não há nenhum empecilho para o aceite do convite, ainda mais se ele contribui para lhe reacender todo encanto pela capital francesa. Logo que chega a Paris, faz questão de rodar boa parte da noite de cima abaixo pelas ruas da cidade numa espécie de contemplação e alegria pela oportunidade de recomeço. Mas, nem tudo são passeios, nem encanto, nem olhadas de mulher desconfiada para a beleza amadurecida de um certo Patrick Pineau que se apresenta inicialmente como responsável por Frida.

É o gênio forte de Frida, que já tentada ao suicídio várias vezes e sem qualquer sentido de viver o grande empecilho à felicidade nascente de Anne. Desenvolve-se uma relação que a cada passo do filme mais se torna complexa, seja pelos gestos de humilhação a que se vê reduzida, seja pela negação do seu trabalho, seja pelo preconceito enrascado de Frida, seja ainda pelo ciúme que ela começará a construir entre Anne e a figura de Patrick. De certo modo, Frida vê em Anne um reflexo do auge de sua vida que além da fama, tinha-lhe aos pés todos os homens que quisesse, inclusive o próprio Patrick. O jogo de desencorajamento ensaiado desde o primeiro instante da narrativa é o de afastar para o mais longe possível não a humilhação de ser servida – coisa, aliás, que parece ter sido o que fizeram a Frida – mas afastar sua próprio lembrança de um tempo sem retorno.

A convivência tem seus pontos de paz, é verdade, como quando Frida lhe aceita pela primeira vez as refeições preparadas por Anne, ou quando lhe presenteia com um casaco e vai com ela ao café de Patrick. Pequenos progressos, mas que não constrói nada de significativo. Pelo contrário, as solidões vão se acentuando: sim, porque Frida tem seu mundo próprio, um mundo em ruínas, esvaziado, de espera pelo fim definitivo; Anne tem o dela, o de servir, mas não ser acolhida como ela imagina; e Patrick também tem o seu mundo, tudo na sua vida é cuidar do seu café.



No mais, é um embate de nacionalidades o que aí se constrói. Uma França sedutora perante uma Estônia apagada – ou não lembram das primeiras cenas em terras estonianas debaixo de uma atmosfera rude (Anne é quase estuprada pelo próprio cunhado no princípio do filme) um frio aterrorizador e uma luz morta que mal se define o contorno das personagens. A grande constatação, entretanto tem suas limitações: apesar da sedução, Paris é a cidade que não sabe receber os que dela se apaixonam e fazê-los sentir-se em casa. Observação essa que nasce das várias tomadas de cena no ambiente da casa de Frida: uma casa ampla, mas sempre tomada pelo vazio e o aspecto sombrio dos cômodos. Além disso, Paris é também uma cidade triste e solitária. As voltas que Anne faz pelas ruas à noite, a contemplação das vitrines, como se desejasse as roupas, os perfumes, é tudo nada mais que o desencanto de uma realidade distante.

O resultado dessa convivência desconfortável não é trágico. Há um fio de esperança em Ilmar que não permite sair da narrativa sem que todos os envolvidos na trama não incorporem em si doses diferentes da existência alheia, reforçando a compreensão da necessidade do outro para existirmos. Frida há de recuperar sua visão sedutora pela vida; Anne descobrirá um sex appeal adormecido; e Patrick verá que nem tudo se resume aos bens de consumo. Uma dama em Paris, discretamente, consegue engendrar vias possíveis para isso.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma pedra no caminho para a modernidade: o projeto drummondiano de humanizar o Brasil

Os melhores diários de escritores

A partir de quando alguém que escreve se converte num escritor?

Escritos nas margens

A relevância atual de Memórias do cárcere, de Graciliano Ramos

Angela Carter, a primazia de subverter

O túmulo de Oscar Wilde

História da menina perdida, de Elena Ferrante

José Saramago e Jorge Amado. A arte da amizade

Ivan Búnin