Os desenhos de Salvador Dalí para o Dom Quixote


Miguel de Cervantes por Salvador Dalí

No passado dia 29 de setembro, estivemos à altura dos 466 anos sem Miguel de Cervantes. Não foi à toa, portanto, que deixamos no nosso Tumblr um conjunto “apetitoso” de imagens concebidas pelo design gráfico Roc Riera Rojas para uma limitada edição publicada em 1968 do romance que é o mais quisto de sempre – o Dom Quixote.

Pela plasticidade do texto, talvez seja este, entre originais e adaptações o livro que mais tenha mexido com o imaginário de artistas plásticos de todo o mundo. Basta que se diga que nomes como Salvador Dalí, Candido Portinari – e é suficiente estes dois nomes – se aventuram em dar vida ao itinerário do cavaleiro errante e seu fiel escudeiro. Foi por uma dessaspostagens que falamos aqui dos trabalhos do artista catalão para o também famoso livro Alice no país das maravilhas e depois para a Divina comédia; de Portinari e seu trabalho para o livro de Cervantes já demos conta.

Agora, a pergunta que nos voltou, claro, depois desses trabalhos de Rojas, é, onde estariam os desenhos de Dalí para o Dom Quixote. Duas pistas, os desenhos de fato existem: uma exposição realizada em Lisboa acerca dos ilustradores do romance cervantino já deixava essa dúvida dispersa. E outras informações, evidentes: a edição fora encomendada ainda na década de 1940.

Depois, na web, esse território onde tudo o que se procura acha, dava contas de algumas ilustrações esparsas. Mas, assim, juntar uma a uma, até dispor de um catálogo significativo seria um esforço e tanto, não? Seria; mas desde quando suspeitamos desse trabalho arregaçamos as mangas para fazê-lo. Até que em meio a essa busca, encontramos algo mais simples: um projeto que, ao modo do que já existe para obras como a de Lewis Carroll, coleciona todos (ou quase) os trabalhos de ilustradores da obra de Cervantes. É conduzido por um grupo de pesquisa da Universidade do Texas e tem o prazer de oferecer acesso gratuito a experimentações visuais raras, como o trabalho de Dalí para o Dom Quixote.

Para se ter uma ideia do território amplo que pisamos, a coleção inclui já cerca de 1. 365 itens e mais de 50. 671 imagens de 1.003 edições da obra e está concentrada (veja bem) apenas em arquivos dos séculos XVIII e XIX produzidos em inglês, francês e espanhol. A qualidade das digitalizações é que deixam a desejar, mas entre pescar uma imagem aqui outra ali é melhor ter um material de fonte segura, não acham?

E sem muita embolação aí estão os trabalhos. É um recorte, ao modo do que fizemos como as 100 ilustrações do artista para a Divina Comédia, mas é também uma resposta ao desafio autoimposto: dar a conhecer o Dalí quixotesco ou o Quixote de Dalí. Não de admirar, evidente, que toda a extravagância do engenhoso fidalgo serviu e tanto para a não menos extravagância do artista catalão.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma pedra no caminho para a modernidade: o projeto drummondiano de humanizar o Brasil

Os melhores diários de escritores

A partir de quando alguém que escreve se converte num escritor?

Escritos nas margens

A relevância atual de Memórias do cárcere, de Graciliano Ramos

Angela Carter, a primazia de subverter

O túmulo de Oscar Wilde

José Saramago e Jorge Amado. A arte da amizade

História da menina perdida, de Elena Ferrante

Ivan Búnin