Boletim Letras 360º #42

Detalhe de uma página do Antigo Testamento da Bíblia de Gutenberg. O arquivo raro da biblioteca do Vaticano será digitalizado e estará disponível on-line em breve. Mais detalhes no boletim.


Antes de passarmos aos destaques desta semana em nossa linha do tempo no Facebook, um esclarecimento; mesmo tendo repetido no Twitter o andamento das entregas dos brindes de nossa promoção de 6 anos, vale deixar escrito o seguinte: já foi feito contato com todos os ganhadores da promoção; os que responderam ao e-mail, os brindes seguirão de duas formas: via Livraria Cultura ou via Correios. De uma forma ou de outra todos os brindes já estão a caminho e devem chegar em breve aos locais de destino.

Agora sim, o que foi notícia em nosso Facebook:

Segunda-feira, 02/12

>>> Inglaterra: Onde está mesmo o poder dos livros digitais?

Fala-se de uma febre do e-book e que este até poderá suplantar o livro de papel, mas a depender da juventude que aí está, talvez seja necessário esperar mais uma geração ou duas para que esse apocalipse se cumpra. É que os jovens de até 24 anos ainda têm gosto de ler à maneira antiga, como revela um novo estudo da agência de estratégia de marketing Voxburner. O estudo, conforme relatado pelo The Guardian ouviu 1.420 jovens sobre suas preferências entre o conteúdo digital e o material impresso; 62% deles foram taxativos: preferem abrir um livro a ler algo no Kindle. Leia sobre a pesquisa aqui. Nossos leitores, quando colocados a escolher entre o impresso e o digital também foram taxativos: o impresso.

>>> Brasil: Moacyr Scliar on-line

Os escritos do escritor gaúcho em breve estarão acessíveis a todos pela internet. São mais de 8,6 mil páginas de manuscritos e datiloscritos que estão sob os cuidados da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul e em processo de digitalização pelo Espaço de Documentação e Memória Cultural (Delfos), pertencente à instituição. Entre manuscritos e textos enviados para editoras, o acervo congrega originais do primeiro ao último romance de Scliar. A maior parte desse material digitalizado estará disponível para livre acesso já no início de 2014. A única restrição feita por parte da família são os textos inéditos que aparecem na coleção. O Jornal Zero Hora destaca algumas das raridades neste acervo: páginas datilografadas povoadas de secções e emendas com trechos, revelando método de trabalho do autor; bilhetes de viagem e recibos de posto de gasolina fazem parte das colagens que compõem os originais; cada romance tem cerca de quatro ou cinco versões; o manuscrito mais antigo do acervo é A Guerra do Bom Fim, de 1972, mas estima-se que há papéis anteriores a 1968.

>>> Brasil: Os 20 anos da Editora 7Letras

Semana passada falamos aqui da chegada ao Brasil de Um beijo dado mais tarde, obra em prosa da poeta portuguesa Maria Gabriela Llansol. Pois aquele título é apenas um da série a ser lançada pela Editora 7Letras que em 2013 comemora 20 anos; editando periódicos de poesia como a Inimigo Rumor, Ficções, de contos, ou a mais recente Lado7, de literatura e ensaios, a editora prepara alguns lançamentos para marcar esse período de atuação. Além de uma nova edição de Lado 7 vêm a lume O andar ao lado — Três novos poetas norte-americanos, de Matthew Rohrer, Jon Woodward e Matthew Zapruder; Noites solares, de Lucília de Neves Delgado; Covil, de Julia de Souza e Antologia cosmopolita, de Oleg Almeida; os ensaios Autorretrato, de Raïssa de Góes e O que faço é música, de Vivian Caccuri; os romances Não muito, de Bolívar Torres; Ombros altos, de Carlos Süssekind e A outra metade, de Miriam Mambrini; o infantil O menino da caneta, de Hélio Sussekind.

>>> Brasil: Filme sobre Caio Fernando Abreu deve estrear em 2014

É o que espera Candé Salles o diretor de Para sempre teu, Caio F., documentário inspirado no livro de mesmo nome de Paula Dip. O filme traz depoimentos de Adriana Calcanhotto, Bruna Lombardi, Lia Luft, Marcelo Rubens Paiva e Natália Lage como narradora. O projeto encontra-se em fase de finalização.


Terça-feira, 03/12

>>> Portugal: Visitar a Lisboa de Fernando Pessoa

Não tem muito tempo que comentamos em um post sobre a Lisboa de Fernando Pessoa – proposta de Marina Tavares para se descobrir os recantos da capital portuguesa que estiveram sob os pés do poeta. Agora, chegado aos 125 anos do poeta, a Casa Fernando Pessoa dá a conhecer “Lisboa em Pessoa”. O próprio poeta escreveu um guia – Lisboa: o que o turista deve ver. O projeto consiste em recuperar as ruas, os trajetos, as deambulações e os lugares em Lisboa, a sua cidade, a que lhe serviu de símbolo para sua extraordinária aventura literária – conforme descreve Inês Pedrosa na apresentação da ideia. Marcam o projeto uma exposição aberta até o mês de janeiro no Aeroporto de Lisboa e um hotsite criado pela CFP onde está disponível as imagens desse tempo pessoano e do tempo atual

>>> Portugal: Seis sonetos inéditos de Florbela Espanca

Os textos vieram a lume ainda esta semana. José Carlos Fernández, autor de Florbela Espanca - a vida e a alma de uma poetisa e outros estudiosos da obra de Florbela atestam a autenticidade do material. Um dos sonetos intitula-se “Velhinha e Moça” cuja primeira estrofe é: “O tempo, mansamente, há-de espalhar/Flocos de neve sobre os meus cabelos,/Numa carícia deixará os selos,/No meu corpo gentil, o seu sabor...” e o texto segue na mesma beleza e ritmo com que criou Charneca em Flor, obra publicada uma ano após a sua morte” – atesta Paulo Loução. Ouça aqui, a recitação do inédito "A exilada".

>>> França: Publica-se uma edição fac-símile do manuscrito de O pequeno príncipe

Que 2013 é o ano dos 70 anos de publicação da primeira edição da obra mais traduzida ao redor do mundo – data sobre a qual comentamos aqui – já sabemos. Pela passagem da data a Gallimard publica uma edição de luxo fac-símile do manuscrito original do livro de Saint-Exupéry, que hoje se encontra na Morgan Library & Museum em Nova York. O fato é que o arquivo que está nos Estados Unidos representa apenas uma parte ou mesmo uma versão do material. O trabalho, portanto, de conseguir todo material, foi de uma odisseia. Além de reunir todo o itinerário de concepção do texto, os estudiosos tiveram ainda outra missão: a transcrição dos manuscritos, muito deles produzidos em papel bíblia e em grafite. A edição reúne ainda desenhos inéditos descobertos recentemente como versões de Exupéry para seu famoso personagem. No nossoTumblr publicamos três dos desenhos originais de Saint-Exupéry para sua criação.

>>> Brasil: Instituto Moreira Salles divulga a programação do Hora de Clarice 2013

No dia 10 de dezembro é aniversário da escritora brasileira Clarice Lispector. Tem três anos que a data serve de mote para a realização de um projeto ao modo do Dia D pelo aniversário de Carlos Drummond de Andrade dedicado exclusivamente à celebração da obra de Clarice.  Para celebrar a Hora de Clarice em 2013, o IMS promoverá o evento "Além do vento há uma outra coisa que sopra - Sete atos" a partir do título recém-lançado As palavras de Clarice Lispector. As atrizes Cláudia Abreu e Malu Mader farão uma leitura de frases selecionadas pelo acadêmico e pesquisador, Roberto Corrêa dos Santos, curador livro.  Além da programação especial, o IMS criou há um ano um site dedicado exclusivamente à autora. O objetivo foi proporcionar um ambiente de pesquisa bastante completo, rigoroso quanto ao mapeamento de informações, que serve não apenas para estudantes do nível médio, mas também para graduandos, pós-graduandos e admiradores da obra de Clarice.  Há programação por todo o Brasil, basta acessar aqui. O site sobre Clarice está aqui.

Quarta-feira, 04/12

>>> Holanda: O que se passa no cérebro enquanto escreves?

Ao longo das últimas duas semanas, o escritor holandês Arnon Grunberg submeteu-se a uma experiência de laboratório a fim de buscar uma resposta para essa pergunta: passou várias horas por dia escrevendo uma nova novela, enquanto uma bateria de sensores e câmeras controladas varriam suas ondas cerebrais, a frequência cardíaca, a resposta galvânica da pele (uma medida elétrica de excitação emocional) e expressões faciais. No próximo outono, quando o livro é publicado, cerca de 50 pessoas comuns na Holanda vai lê-lo também em circunstâncias controladas semelhante, com sensores e tudo. Tudo sobre esse experimento no The New York Times.


>>> Brasil: Novo projeto da Academia Brasileira de Letras disponibiliza on-line textos raros de acadêmicos

A Academia Brasileira de Letras acaba de lançar em seu site o piloto do projeto Palavras: Tributos e Homenagens, que torna públicos textos de Acadêmicos construídos a partir de pronunciamentos feitos em sessão. De fácil acesso e navegação, pesquisadores, estudantes e internautas em geral poderão conhecer no ícone “Palavras” informações que antes eram restritas. Saberão, por exemplo: o que pensavam Machado de Assis, Joaquim Nabuco, Rui Barbosa, Jorge Amado, Antonio Houaiss e muitos outros sobre questões da vida cultural brasileira. O coordenador é o Acadêmico Ivan Junqueira. Os principais objetivos do projeto são: estruturar uma base de dados constituída de textos dos Anais da Academia Brasileira de Letras; criar um instrumento de pesquisa formado por textos de inconteste valor literário, mas que ainda permanecem restritos à esfera acadêmica; e possibilitar a pesquisadores e aos internautas em geral acesso a um material que envolve questões relevantes da vida cultural do país. Aqui.

>>> Brasil: Chega-nos título inédito de Mikhail Bakhtin

A obra do teórico russo tem servido à leitura da literatura e alimentado correntes dos estudos literários ao redor do mundo. Grande parte dos estudantes de Letras/Literatura já tiveram ou ao menos ouviram falar de textos como Problemas da obra de Dostoiévski, A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais e a coletânea de ensaios Questões de literatura e estética. A Editora 34 traz a lume Questões de Estilística no ensino da língua, ensaio produto da experiência de Bakhtin como professor em duas escolas no interior da Rússia entre 1937 e 1945. Como exemplo de sua prática na sala de aula, o autor aborda no texto o uso de uma estrutura gramatical em particular - o período composto por subordinação sem conjunção -, e desenvolve um método de ensino voltado ao "processo de nascimento da individualidade linguística" dos alunos.  Inédito no Brasil e extremamente atual, "Questões de estilística no ensino da língua" ilumina muitos aspectos das teorias de Bakhtin, e é apresentado em tradução direta do russo realizada por Sheila Grillo e Ekaterina Vólkova Américo. O volume conta ainda com uma apresentação de Beth Brait, um ensaio das tradutoras, que compara a obra do autor com a do linguista Viktor Vinográdov, e os preciosos comentários dos organizadores da edição russa.

>>> Estados Unidos: A era dos retornos 

Primeiro foi James Bond, criado por Ian Fleming, ressuscitado pelas mãos do escritor William Boyd; depois Sherlock Holmes, de Doyle, e Hercule Poirot, de Agatha Christie e agora outro personagem de thriller reviverá após a morte de seu autor. Philip Marlowe, detetive das obras de Raymond Chandler protagoniza The Black-Eyed Blonde, que a Rocco lança em 2014. O policial será assinado por Benjamin Black, pseudônimo do irlandês John Banville. Marcará a volta do personagem após 25 anos. A última aventura, que Chandler deixou incompleta, foi concluída por Robert B. Parker em 1989.


Quinta-feira, 05/12

>>> Inglaterra: Quando dissemos que tudo se capitaliza...

O que se vê na imagem é um broche a "A metamorfose", de Franz Kafka; o broche besouro é só uma amostra do trabalho da inglesa Sarah que produz esse tipo de relíquia a partir de clássicos da literatura. O tratamento dos broches é feito a partir de sobras de madeira e placa de MDF que são cobertas com páginas tomadas a partir de cópias antigas de clássicos da literatura.  A coleção inclui peças a partir de obras como Homens e ratos, Alice no país das maravilhas, Sherlock Holmes, Orgulho e preconceito, Moby Dick, O poderoso chefão, entre outros. A coleção completa pode ser vista e adquirida nesta loja on-line.

>>> Itália: Bibliotecas do Vaticano e Bodleian trabalham na confecção de arquivo online de textos religiosos antigos

Alguns dos textos religiosos mais raros e frágeis do Vaticano e do sistema de bibliotecas Bodleian, incluindo bíblias antigas e alguns dos mais antigos manuscritos hebraicos e livros impressos, estão a ser colocados on-line em um projeto conjunto entre as duas grandes bibliotecas, o que acabará por criar um arquivo na web com 1,5 milhão de páginas.  O site já foi lançado com o financiamento da Fundação Polonsky e apresenta os primeiros resultados do projeto de quatro anos, incluindo uma edição da bíblia de Gutenberg impressa em tipografia em 1455, um dos únicos 50 exemplares sobreviventes do primeiro grande livro impresso no oeste europeu. A biblioteca do Vaticano foi fundada em 1451 pelo Papa Nicolau V para "a conveniência comum dos sábios", enquanto que a Bodleian foi aberta para estudiosos em 1602, mas integrada a biblioteca da Duke Humfrey em 1488. As obras a serem digitalizadas incluem a recolha de um pequeno, mas impressionante manuscritos gregos do Vaticano, incluindo textos antigos de obras de Homero, Sófocles, Platão e Hipócrates. 

>>> Portugal: Livro faz um apanhado do Prêmio Portugal Telecom em dez anos

No ato entrega do Portugal Telecom deste ano foi lançado um livro que resgata a primeira década do prêmio. Organizada por Selma Caetano e por José Castello e com edição da Leya, a obra traz, em suas 600 páginas, entrevistas feitas pelos dois com os 27 vencedores e textos críticos sobre as obras premiadas. Entre eles, António Lobo Antunes, Milton Hatoum, Chico Buarque, Lourenço Mutarelli e Valter Hugo Mãe. Em 2013 o ganhador foi o brasileiro José Luiz dos Passos. 

>>> Brasil: Inéditos de John Fante devem sair em breve

Os textos publicados entre 1932 e 1959 e até então inéditos em língua portuguesa compõem The Big Hunger; e a editora José Olympio os adquiriu. Em nota para o Painel das Letras, (Folha de São Paulo) Raquel Cozer revela que o teor dos textos mostra um autoindulgente Fante juvenil a um autor maduro, interessado em questões imigratórias.


Sexta-feira, 06/12

>>> Estados Unidos: E se os grandes escritores tivessem Instagram?

A ideia aparece como provocação de um colaborador do site BuzzFeed, interessado na criação de listas um tanto quanto curiosas como esta, Happer Collins. No topo da lista Virginia Woolf, mas há espaço para os nomes de Liev Tólstoi, Ernest Hemingway, Charles Bukowski, T. S. Eliot, entre outros.  Replicamos a lista em nosso Tumblr.

>>> México: Uma biblioteca para crianças como elas sempre sonharam

Quando você era criança chegou a imaginar qual seria o tipo de biblioteca ideal? Muitas nem isso tiveram, sabemos; e muitas ainda continuam sem ter. O Brasil tem um déficit gigantesco nessa área. Quando isso será resolvido é ainda um problema. Enquanto isso, ideias e propostas fora daqui não faltam. Vejam esta: em Monterrey, no México, abriu às portas por esses dias uma biblioteca que diríamos “super-cool”. Utilizando um conceito pioneiro, ser biblioteca e espaço de recreação em simultâneo. Sim, as crianças de hoje não se contentam com a calmaria e o silêncio empoeirado dos livros. A biblioteca foi construída como parte de um complexo cultural perto do coração de Monterrey chamado Fundidora Park, um ex-siderurgia e fundição que hoje abriga jardins, ciclovias, um lago artificial, museus, centros de convenções, uma pista de gelo, hotel, auditórios, e tema parques. Com todas essas atrações, o parque é considerado um dos exemplos mais famosos de arqueologia urbana no México. Como parte dos esforços contínuos para transformar o parque em um centro cultural, a empresa de design Anagrama foi contratada pelo Conarte (Conselho para a Cultura e as Artes de Nuevo León) para converter um antigo armazém em uma biblioteca infantil, mantendo a estrutura histórica (de 1900), mas dando um “up” moderno no espaço.

>>> Brasil: Mais um título para o extenso catálogo de Literatura Russa editado pela Editora 34

Três anos, de Tchekhov, é o novo título. Ao voltar de uma longa viagem à colônia penal da ilha de Sacalina, Tchekhov passa a residir em Moscou. Ali, nas redondezas de sua casa na rua Málaia Dmítrovka, ambientaria a novela Três anos. Publicada em 1895, a obra acompanha os primeiros anos de casamento de Iúlia Belavina, filha de um médico da província, com Aleksei Láptiev, de uma família de prósperos comerciantes moscovitas. A novela é publicada pela primeira vez no Brasil; uma narrativa de tintas autobiográficas que mostra como se estabelece o cotidiano do jovem casal e dos círculos que frequenta, assim como a atmosfera opressiva das relações de afeto e poder em uma Rússia ainda marcada pela recém-abolida servidão. A tradutora Denise Sales, que também assina o posfácio e as notas ao volume, soube captar com precisão as pequenas ocorrências e fatos comuns que, na obra de Tchekhov, tecem a rica trama psicológica de suas histórias.

>>> Inglaterra: Lista de 1898 indica 100 títulos indispensáveis à leitura

Mesmo à distância dos dias hoje, a lista de Shorter ainda pode servir como um incentivo para a descoberta, como ele esperava, da literatura; como uma lista, a seu tempo, Shorter reconheceu as omissões limitações, mas é curioso o contato com esses títulos para ver o que poderíamos chamar de romances clássicos ou canônicos ou as obras que já sobreviveram, apesar de tudo, ao tempo. Estão neste rol nomes como de Cervantes (imagem), Jane Austen, Daniel Defoe, Jonathan Swift, Voltaire, Ann Radcliffe, Mary Shelley, Goethe, Balzac, Dostoiévski, Brontë, entre outros nomes conhecidos de todos hoje. Leia a lista completa aqui.

..........................
Sigam o Letras no FacebookTwitterTumblrGoogle+, Instagram


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Carolina Maria de Jesus, a escritora que catava papel numa favela

20 + 1 livros de contos da literatura brasileira indispensáveis

José Saramago e As intermitências da morte

José Saramago e Jorge Amado. A arte da amizade

Sor Juana Inés de la Cruz, expoente literário e educativo do Século de Ouro espanhol

Cecília Meireles: transcendência, musicalidade e transparência

Visões de Joseph Conrad

Ensaios para a queda, de Fernanda Fatureto

A melhor maneira de conhecer o ser humano é viajar a Marte (com Ray Bradbury)

Os diários de Sylvia Plath