Para Donizete Galvão

Por Pedro Fernandes


Eu sempre me pergunto, sem nenhum senso de eternidade, para onde vão todas as palavras que trocamos nessa esfera virtual depois que daqui formos embora. Será possível que, séculos depois, ainda encontrarão vestígio nosso na web? E as correspondências, ora extensas ora rápidas, que trocamos via e-mail, Facebook e outros meios, como ficarão? Sucumbirão ao fosso do esquecimento porque essas correspondências são lacradas com códigos que só nós sabemos para acessá-los? Não serão feitas, então, mais edições com trocas de correspondências? Nem, se especulará sobre os contatos feitos em vida com outros distantes de nós? Enfim, seremos apenas casca de bytes do que está explicito e nada mais?

Numa busca sem muita insistência catei um e-mail que escrevi no dia 11 de julho de 2012, cf. aparece datado, enviado as 15h30 convidando o poeta Donizete Galvão a redigir um ensaio sobre a obra poética de Dora Ferreira da Silva, o nome homenageado pelo caderno-revista 7faces em sua sexta edição. A resposta veio prontamente no mesmo dia, sucinta: “Pedro: aceito sim. me mande as instruções. abraços, Donizete”.

No dia seguinte, mandei-lhe as instruções. E no mesmo dia respondeu-me: “tudo bem. mas não acredito que terei 10 páginas para escrever sobre a Dora. não que ela não mereça, mas tenho fôlego curto. não sou crítico e nem ensaísta. Abraços, Donizete”.

Não lhe fiz objeções. Aposto na liberdade daqueles quem convido para escrever seja para o caderno-revista 7faces, do qual sou editor desde sua fundação em meados de 2009, seja para este blog que edito e para o qual tenho, paulatinamente, elegido nomes para compor os quadros de colunistas. Ainda mais se tratando de Donizete, quem, antes de conhecê-lo por correspondência, conheci pelos versos lidos aleatoriamente nas várias idas à biblioteca ainda nos meus tempos de Graduação em Letras. Donizete, dono de voz única; de fôlego curto, como disse, mas de sentido amplo, como é dado ser os poetas, que numa sentença dizem o mundo e o que nele contém.

A quase um mês do prazo dado, volto a entrar em contato para saber do andamento do texto. Vem, num instante, como resposta: “peço desculpas por não lhe atender o convite já firmado antes. mas tive sérios problemas de saúde e tenho estado afastado desse ofício da escrita. tem alguns poemas meus escritos com dedicatória para Dora e você pode usá-los. vão em anexo e pode publicá-los do jeito que estão. Abraços, Donizete”.

Se o poeta não se via como adivinho, tornou-se para mim, naquele dia, em alguém parecido com ele. É que eu trabalhava em contato com outros poetas na elaboração de um “caderno para Dora” no qual reuniria poemas de alguns poetas dedicados a poeta paulista. Os de Donizete, portanto, caíram como uma luva: “Tzvietáieva e o céu do poeta” e “Último outono”, páginas que reproduzo ao fim deste texto.

Depois de publicada a revista, enviei-lhe um exemplar em PDF sobre o qual recebi a seguinte resposta: “alcançou a altura de Dora. rica homenagem. Abraços, Donizete”. Depois disso, apenas agradeci por ter gostado do material produzido. E não nos falamos mais. Apenas eu, em contato ora uma vez ora outra com seu “fôlego curto”.

Estava entretido com outros afazeres para esta página, quando numa visita aleatória ao caderno Ilustrada do jornal Folha de São Paulo soube da morte repentina de Donizete. Não é necessário dizer que me senti tomado por aquele mesmo sentido de vácuo que nos suga e joga de cara com a finitude. Este é o típico sentimento que nos atravessa sempre que recebemos essas situações inesperadas, principalmente, diante de quem achamos ainda ter uma longa vida pela frente. Talvez, novamente, o poeta tenha sido produto daquela iluminação que o fez enviar poemas em homenagem a Dora Ferreira da Silva. Digo isso enquanto penso nos versos do poema “Evocação a Príano”, de A carne e o tempo, livro de 1997:

“Livre-nos do mijo nas calças,
das quimioterapias e escleroses.
Quando chegar o enfado,
Dê-nos o prêmio da morte limpa e súbita.”

O poeta deixou-nos no dia 30 de janeiro. Nascido em Borda da Mata, Minas Gerais, em 1975 foi para São Paulo, onde cursou jornalismo, trabalhou como redator publicitário e fez sua carreira como poeta. Deixou-nos sete títulos, além das participações em revistas e antologias pelo Brasil e fora do país: Azul navalha (1988), As faces do rio (1991), Do silêncio da pedra (1996), A carne e o tempo (1997), Ruminações (2000), Mundo mudo (2003) e O homem inacabado (2010), título finalista do Prêmio Portugal Telecom. Deixou-nos – servindo-me das palavras de Cláudio Daniel num breve, mas denso ensaio publicado na edição 185 da revista Cult – “um catálogo de motes obsessivos, em que se destacam tempo, memória, cidade, insetos, animais, pequenos acontecimentos da jornada ordinária e a busca da epifania possível numa era de ‘homens inacabados’”.


Ligações a este post:
Para ler e-ou baixar os poemas de Donizete Galvão reeditados no caderno-revista 7faces, basta ir aqui.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma pedra no caminho para a modernidade: o projeto drummondiano de humanizar o Brasil

Os melhores diários de escritores

A partir de quando alguém que escreve se converte num escritor?

Escritos nas margens

A relevância atual de Memórias do cárcere, de Graciliano Ramos

Cecília Meireles: transcendência, musicalidade e transparência

José Saramago e Jorge Amado. A arte da amizade

História da menina perdida, de Elena Ferrante

O túmulo de Oscar Wilde

Angela Carter, a primazia de subverter