Boletim Letras 360º #92

Foi há 16 anos. José Saramago recebe das mãos do rei da Suécia o Prêmio Nobel de Literatura. Ao longo deste boletim acesse a íntegra do discurso do escritor português proferido nessa ocasião. 

Estamos muito próximos de reduzir o fluxo do blog para as tradicionais paradas para o recesso de fim de ano. Mas, alerta: não paramos de um todo. As redes sociais ficam ainda movimentadas. No Instagram, por exemplo, iniciaremos e iremos até a véspera de Natal com a publicação de dicas para presente (sim, porque se tem presente no Natal, tem que ser livro); no Facebook, atiçamos o retorno às leituras para 2015 com a retrospectiva; e tem muito mais. Já em breve anunciamos mais uma promoção e nossas listas para o fim do ano. Bom, enquanto tudo isso não vem, vamos ler/ver/rever/reler o que foi notícia esta semana na página do blog no Facebook. 

Segunda-feira, 08/12

>>> Brasil: Romance de João Tordo a sair

No Brasil, o escritor português tem vez em casas como a LeYa (Anatomia dos mártires) e Língua Geral (As três vidas). Agora, ele vai para a Companhia das Letras que publica para breve Biografia involuntária dos amantes. Vencedor do Prêmio José Saramago em 2009, nesse romance dá o nome de Saldaña Paris (poeta mexicano de quem ficou amigo durante residência literária no Canadá) a um personagem que fica deprimido ao ler um texto deixado pela ex-mulher, Teresa (inspirada na mãe de Tordo).

>>> Brasil: Nasce a editora Poetisa

O primeiro título é a versão integral de A bela e a fera, publicado originalmente em 1757 por Jeanne-Marie Leprince de Beaumont e nunca editado no Brasil nesse formato. A tradução é de Marie-Hélène Catherine Torresta e as ilustrações, de Laurent Cardon, francês radicado em São Paulo. A obra traz textos de todos os envolvidos em sua produção e essa deve ser a cara dos próximos lançamentos da editora criada por Cynthia Beatrice Costa e Juliana Lopes Bernardino. O próximo livro será o clássico infantojuvenil O coelho de veludo, inédito no Brasil. A editora começa com esses títulos, mas no prelo, estão, entre outros projetos, uma coletânea de contos marroquinos inéditos e de contos de fada franceses – entre eles, um também inédito do Charles Perrault. Em 2016, devem ser lançados os primeiros romances.

Terça-feira, 09/12

>>> Brasil: Depoimento de Paulo Gurgel Valente sobre a mãe, Clarice Lispector

Como parte do evento "Hora de Clarice", o IMS produziu um vídeo-depoimento de Paulo Gurgel Valente, filho de Clarice Lispector, que conversa com Eucanaã Ferraz e Elizama Almeida e relembra as personalidades que frequentavam a sua casa e o primeiro livro que leu da mãe.

>>> Brasil: As cartas de Carlos Drummond de Andrade 

O epistolário inédito, que vai de janeiro de 1929 até dezembro de 1982, foi reunido no livro Correspondência de Carlos Drummond de Andrade & Alceu Amoroso Lima publicado pela EdUFMG. Organizado por Leandro Garcia Rodrigues, especialista na obra de Amoroso Lima, o livro revela uma face menos conhecida de Drummond: o jovem dividido entre a formação católica e um ceticismo profundo em relação à religião. Para o próximo ano são as correspondências entre o poeta e Mário de Andrade, o responsável por colocar os dois em contato. No livro, Rodrigues propõe uma periodização para as cartas: de 1929 a 1934, elas eram mais longas e tinham um cunho existencial e filosófico (“é um Drummond desnudo, que está querendo se apoiar em algo mais forte”, diz ele); a segunda, entre 1934 e 1945, engloba o período em que o poeta foi chefe de gabinete de Gustavo Capanema no Ministério da Educação, durante o Estado Novo. Os dois tratam basicamente de favores e pedidos em relação à administração pública; de 1945 a 1982, ambos começam a ser premiados, o reconhecimento público é crescente e eles passam a rever suas obras e aprofundam a amizade. Ainda na primeira fase, o professor destaca uma carta de 1931 em que Drummond fala abertamente de seus impulsos suicidas; tema que se mostrará em diversos poemas reunidos nos livros Alguma poesia, Brejo das almas, Sentimento do mundo e A rosa do povo, mas num texto pessoal é a única vez, de acordo com Rodrigues.

Quarta-feira, 10/12

>>> Brasil: Notas para A hora da estrela, de Clarice Lispector: "O que vale é o que se faz. E ela nada tinha feito."

Clarice Lispector costumava copiar trechos que lhe vinha à cabeça em qualquer pedaço de papel que tivesse ao alcance. Foi através dessa poética da fragmentação que escreveu o primeiro livro e grande parte dos romances. No Tumblr do Letras recolhemos algumas dessas notas para A hora da estrela. (Fonte: IMS).

>>> Portugal: 70 inéditos de Almada Negreiros

Um acervo em grande parte formado por desenhos e pinturas do multiartista português Almada Negreiros está em exposição aos visitantes do Museu da Eletricidade, em Lisboa. “Almada Negreiros: O que nunca ninguém soube que houve” fica em cartaz até 29 de março de 2015. O nome da exposição remete para o título de um livro criado entre 1921 e 1922 e mostrado ao público pela primeira vez: O Pierrot que nunca ninguém soube que houve. História trágica ilustrada com sol e palmeiras. O acontecimento é alusivo às celebrações pelo centenário da revista Orpheu, na qual Almada teve uma participação importante.

>>> Brasil: O resgate da literatura de Humberto de Campos

Um dos textos do escritor brasileiro é o Diário secreto que começou a elaborar em 1915 e registrou comentários mordazes sobre muitos nomes das letras brasileiras, desde figuras como Machado de Assis a contemporâneos seus como Rui Barbosa e João do Rio. O livro ficou guardado nos cofres da Academia Brasileira de Letras por uma década e meia após seu falecimento, em 5 de dezembro de 1934. Era uma determinação sua: dez anos depois foi publicado em fascículos semanais na revista O Cruzeiro e agora, parte do polêmico texto ganha nova edição dentro da série “Humberto de Campos — Renascendo 80 anos depois”, criada pela Tinta Negra para marcar o aniversário de morte do autor. Acondicionada numa caixa, a coleção reúne também as Poesias completas e duas antologias de histórias curtas: Contos satíricos do Conselheiro XX e Contos e crônicas. Os textos dos dois volumes em prosa foram pinçados em 17 livros, de Da seara de Booz (1918) a Gansos do capitólio (1943).

>>> Portugal: Recordações pelo Prêmio Nobel da Literatura de 1998

Num 10 de dezembro, há 16 anos, José Saramago, ocupou a tribuna do salão real em Estocolmo para pronunciar o seu discurso pela recepção do Prêmio Nobel de Literatura - feito até hoje só conseguido para a língua portuguesa através de sua obra. "De como a personagem foi mestre e seu autor aprendiz" é o título do discurso que logo tornou-se uma das peças mais belas já ditas numa ocasião dessas. Os leitores podem aceder ao discurso e às reações pela atribuição da honraria por aqui,

Quinta-feira, 11/12

>>> Reedição de obra 'pornográfica' de Hilda Hilst

O selo Biblioteca Azul, da Globo Livros reedita num só volume a Trilogia Obscena (O caderno de Lori Lamby, Contos d'escárnio - textos grotescos, Cartas de um sedutor) mais o conjunto de poemas Bufólicas. A obra é integralmente ilustrada e traz um texto inédito, Fragmento pornográfico rural mais uma breve fortuna crítica que aborda a polêmica fase erótica de Hilst. O caderno rosa de Lori Lamby e Bufólicas recuperam as ilustrações de Millôr Fernandes e Jaguar para as primeiras edições. Para ilustrar Contos d’escárnio e Cartas de um sedutor foram convidadas Laura Teixeira e Veridiana Scarpelli, que apresentaram uma abordagem contemporânea ao pornô de Hilst.

>>> México: Sobre o que pensava Octavio Paz

É uma quantidade significativa de obras de artistas notáveis e de épocas e civilizações diversas que deram forma ao pensamento de Octavio Paz. "En esto ver aquello. Octavio Paz e el arte" é uma mostra gigantesca que reúne obras de nomes como Marcel Duchamp, a quem o poeta e o pensador mexicano dedicou um livro completo (Apariencia desnuda). Trata-se de uma exposição que busca construir o museu imaginário que Paz foi erguendo ao longo da vida.

>>> Estados Unidos: Quanto vale uma ilustração do Ursinho Pooh

Cerca de R$ 1,2 milhão foi o que pagou um fã para a ilustração que pode ser considerada uma das mais familiares e amadas referências culturais da literatura inglesa. Na imagem, Pooh aparece com Leitão e Christopher Robin em uma ponte sobre um rio. O desenho de Ernest Howard Shepard foi inspirado na obra escrita por Alan Alexander Milne e publicada, pela primeira vez, em 1928. Por mais de 40 anos pertenceu a uma coleção privada.

Sexta-feira, 12/12

>>> Inglaterra: A fortuna de J. K. Rowling

Agora, os livros lançados pela autora de Harry Potter sob pseudônimo de Robert Galbraith serão adaptados para uma série de TV produzida pela BBC. O primeiro livro, O chamado do cuco (2013), e sua continuação, O bicho de seda (2014), serão base do roteiro centrado na vida do veterano de guerra e detetive Cormoran Strike, que conta com a ajuda de sua assistente Robin Ellacott para tentar solucionar o brutal assassinato de um escritor. A emissora, em parceria com a HBO, vai exibir, a partir de fevereiro, uma minissérie de três episódios baseada em Morte súbita, lançado pela autora em 2012. Este foi o primeiro livro lançado por Rowling após o final da saga Harry Potter.

>>> Inglaterra: Shakespeare sangrento para o cinema

A produção da peça Titus Andronicus do teatro Shakespeare’s Globe, que provocou o desmaio de dezenas de espectadores, vai estrear no cinema no próximo ano, refere o jornal The Telegraph. Esta será uma de cinco produções do teatro londrino que foram filmadas para chegar às salas de cinema um pouco por todo o mundo. A peça, escrita por William Shakespeare e descrita como “grotescamente violenta”, é um revivalismo da produção de 2006 de Lucy Bailey. Inclui 14 mortes, cenas de violação, mutilação e canibalismo, e foi publicitada como sendo “violentamente grotesca e perigosamente experimental”. A Lamentável Tragédia de Titus Andronicus é considerada a peça mais sangrenta e violenta de Shakespeare. Escrita entre cerca de 1588 e 1593, conta a história de Titus, um general romano que procura vingar-se da rainha dos Godos, Tamora.

>>> Espanha: Toda obra de Goya revista

De acordo com a equipe científica a cargo dos especialistas do Museu do Prado, que alberga cerca de 520 desenhos do autor são cinco volumes que irão ser publicados ao largo da próxima década. A parceria se estende com donos de coleções particulares e mais 40 museus ao redor do mundo. Um edifício em construção acolherá em 2016 uma exposição com os desenhos em coincidência com a publicação do primeiro volume do catálogo. Os outros quatro volumes serão publicados até 2019, quando se abrirá una nova mostra das peças no museu, que esse ano celebrará o bicentenário de sua abertura ao público.

>>> Brasil: Para TV, poesia

Adriana Calcanhotto está à frente de mais uma empreitada: “Poesia em movimento” é o nome de um programa do canal Philos que poderá ser acompanhado por assinantes da Net, da GVT e da Globo.com. Cleonice Berardinelli foi quem, de fato, deu origem ao programa involuntariamente: Marcia Braga, a produtora, topou a ideia depois de assistir um encontro entre Adriana e Dona Cleo sobre Mario de Sá-Carneiro. “Poesia em movimento” não tem roteiro; recebe os convidados no camarim e ali mesmo eles começam a conversa. 


..........................
Sigam o Letras no FacebookTwitterTumblrGoogle+Instagram 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os conselhos de Wislawa Szymborska aos aspirantes a escritores

Eu sei que nunca se dirá tudo o que a poesia é

Torquato Neto, exercício de liberdade

Emily Dickinson, por Ana Cristina Cesar

Philip Roth, agora mesmo começam outros círculos

Tirza, de Arnon Grunberg

Cinco razões (talvez algumas mais) para desfrutar do “Ulysses”, de James Joyce

O macaco e a essência, de Aldous Huxley

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira