O Grafite e Édipo Rei


Por Wagner Silva Gomes



É próprio da literatura a resistência porque a literatura parte do litígio, ou seja, da contestação. Por surgir da tradição oral a literatura tem o caráter de ocupar os espaços em que as pessoas atuam, convivem, e criam histórias a partir da experiência sem necessariamente ter o aval de documentação legal.

Isso é o que faz alguém contar a história de um filho abandonado pelos pais ao nascer e levado para fora da cidade onde esses moram. Quando chega na juventude esse filho volta, assassina seu pai sem o saber que era ele. E num momento que a cidade era ameaçada por um monstro (a esfinge) ele é o único a revelar o seu enigma, livrando a cidade da destruição. O jovem então namora com a coroa sem saber que é sua mãe. Até que um dia um velho cego e sábio, a quem desprezam suas palavras, que tinha encontrado o jovem em sua chegada, sabendo da identidade do jovem observa os acontecimentos na cidade, e por fim revela porque essa passa por maus momentos. Esta é, em linhas gerais e atualizada, a história de Édipo Rei, de Sófocles, contada na Grécia Antiga por volta de 427 a.C.

Hoje nas cidades o grafite é o enigma revelado por seus filhos abandonados sem precisar revelar sua identidade, ou seja, sua autoria legal. Como um ditado popular, uma máxima, as frases do grafite na modalidade pichação, a qual aqui me debruço, trazem o olhar cidadão expresso em verdades produzidas pela ação do homem nos espaços. Então o grafite é uma forma de revelar os mistérios da cidade em forma de imagem e/ou escrita, esclarecendo-a, lembrando o pai da linguística moderna, Ferdinand Saussure, que via na palavra o caráter de signo, como conteúdo e forma. Faço aqui a minha pichação sobre ele.

O poeta Paulo Leminski foi um autor que sacou essa veia poética do grafite na modalidade pichação como uma voz ativa na construção dos espaços sociais. Um poema como "Casa com cachorro brabo/ meu anjo da guarda/ abana o rabo" é uma verdade, é a expressão de um modo de participação na vida social, pois toda a gente já passou perto de uma casa com cachorro brabo, ele latiu e provocou aquele frisson de reação que parece que alguém o agita e o faz tremer, e o cachorro quando está parado e balança o rabo parece até que é segurado (talvez por um anjo da guarda). Então esse poema poderia ser uma pichação num espaço de casas com cachorros brabos, onde passa muita gente, sendo assim uma máxima, um ditado sobre o local.

A publicidade tem esse caráter de verdade sobre a vida, sobre o convívio, e procura ocupar os espaços. Aliás ela tenta fazer com que a expressão de uma marca seja tida como um ditado, uma máxima, uma verdade, e muitas vezes consegue. O próprio nome Coca-Cola poderia ser uma pichação, pois é o entendimento de que o gosto áspero da folha de coca gruda como cola. Mas a frase "coca cola" está colocada no mercado para vender, não para exercer a cidadania de nos alertar sobre a construção da cidade, sobre a necessidade de revitalizar a vida.

Daí a importância do grafite na modalidade pichação e da literatura que traz esse caráter de máxima, de ditado, de verdade, de pessoas atuantes que se preocupam com a cidadania, com o bem-estar, com o convívio, fazendo de sua experiência coletiva a expressão de uma verdade.

Não precisa ser grafiteiro ou poeta para isso. Esses o são pela regularidade e por assumir uma bandeira. Mas quanto mais participação, voz ativa, através da compreensão dos espaços, refletindo-os de forma inteligente, seja em uma ou duas frases, mais a gente se verá neles, mais nos sentiremos com vontade de atuar neles, mais os ocuparemos, e então mais eles serão nossos de verdade.

Propus a leitura dos poemas de Paulo Leminski para um grupo de adolescentes no serviço de Acolhimento Institucional, um serviço da Assistência Social promovido a pessoas que por motivos graves foram separadas de suas famílias pela justiça, até sua recuperação, ou, em caso de impossibilidade, até a adoção, até ficar adulto, ou até a emancipação, com esse viés de expressão da ocupação sobre os espaços, da verdade provinda da atuação e do olhar sobre a vida.

Essa seria a minha fala na ocupação dos estudantes secundaristas na escola Almirante Barroso em Vitória-ES, que fazem o protesto principalmente contra aplicação da PEC 241. Nós do grupo de poetas "Sarau Contra o Golpe" falaríamos sobre a coletânea de poemas "Osso de Escrever" e sobre resistência, após assistirmos ao documentário sobre o grafite "A febre" e disponibilizarmos livros para eles lerem, conversando com alguns estudantes que chegavam até nós.

No entanto, a nossa fala e o nosso sarau não foi possível porque os estudantes secundaristas receberiam a imprevisível visita do Ministério Público, que está dando o suporte legal e os informou sobre um possível mandado de desocupação da escola, que seria emitido no dia seguinte, podendo assim ter ação violenta da polícia. Então eles iriam se reunir em assembleia e fomos convidados a nos retirar.

Espero que eles continuem resistindo na ocupação e que o Ministério Público seja honesto com eles, os respaldando com base no direito de greve para impossibilitar a invasão da polícia.

Dialogando com o que eu falava antes, o direito de greve na resistência legal dos estudantes é próximo à resistência da literatura e a do grafite, que são expressões legais. Separar a modalidade do grafite pichação do direito de ser grafite, de ser legal, é condenar o litígio, isto é, a contestação, como separar a literatura engajada do direito de ser literatura também o é, embora isso não a criminalize, ao menos em tempos de democracia. Esses dois exemplos são formas de exclusão, claro que, em níveis diferentes. A ação dos estudantes, tem a capacidade de acionar os dois níveis, pois separar sua ocupação da legalidade é tirar deles o direito de fazer política, de construir a escola, isto é, de contestar e intervir no espaço que atuam.

***
Wagner Silva Gomes é praticante e amante do olhar periférico da molecagem que enxerga as coisas poeticamente. É licenciado em Letras-Português pela UFES com o trabalho de conclusão Objeto Palavra: um vagar entre matéria e pensamento na poesia de Casé Lontra Marques e pós-graduado em Cinema e Linguagem Audiovisual pela Faculdade Estácio de Sá com o trabalho de conclusão A Condição Humana em Psicose. É poeta, romancista, professor e educador social. Publicou o romance Classe Média Baixa (Editora Pedregulho, 2014), o romance em formato digital Nix: Microfone por Tubos de Ensaio (Amazon 2017) e o livro infantil A Arrebolha na Boca da EDP Rainha, também em formato digital (Amazon 2017). Figura na décima edição da Revista Escala, nas coletâneas Osso de Escrever e Sabadufes, e em participações em saraus como o Poesia na Calçada e a Cachaçada Literária. Escreve frequentemente nas redes sociais poemas e magmas para possíveis assentamentos literários. Foi integrante do programa da rádio universitária Teatro dos Desoprimidos com o personagem Malcolm X.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Boletim Letras 360º #298

João Cabral olha Joan Miró

Das mentiras que contamos sobre as vidas que não vivemos

José Saramago, o ano de 1998

A vida e a arte de Sylvia Plath

A poesia de Guimarães Rosa

As últimas testemunhas, de Svetlana Aleksiévitch

Poesia e desordem

Sobre bolhas sociais e debates políticos em redes sociais