Wislawa Szymborska, a poeta do acaso


Por Fernanda Fatureto



No poema “Entre muitos”, incluído na antologia Poemas (Companhia das Letras, 2011), Wislawa Szymborska anuncia: “Sou quem sou./Inconcebível acaso/como todos os acasos./Fossem outros/os meus antepassados/e de outro ninho/eu voaria/ou de sob outro tronco/coberta de escamas eu rastejaria”. Este é um dos poemas-chave para adentrar o universo de Szymborska. Nascida na Polônia, em 1923, presenciou a guerra em seu país durante duas trágicas ocupações – a nazista na Segunda Guerra Mundial e, posteriormente, a Stanilista que forjou mais de quatro décadas de totalitarismo. Regina Przybycien, tradutora da poeta no Brasil, afirma no prefácio de Poemas que após a morte de Stálin “os escritores na Polônia puderem seguir com maior liberdade em busca de uma voz individual”. No caso de Szymborska, encontraremos a causalidade da existência humana e da natureza dialogando entre si, numa rara postura de que a poeta nada sabe e encontra nas palavras a interrogação fundadora do mundo.

Wislawa Szymborska ganhou o Prêmio Nobel de Literatura em 1996. Antes do Nobel era pouco conhecida fora da Polônia e não tinha muitos livros traduzidos. O prêmio a consagrou fora de seu país. Em seu discurso na Academia Sueca, afirmou: “Poetas, se autênticos, também devem repetir “não sei”. Todo poema assinala um esforço para responder a essa afirmação, mas assim que a frase final cai no papel, o poeta começa a hesitar, a se dar conta de que essa resposta particular era puro artifício, absolutamente inadequada”. Os poemas de Szymborska interrogam todas as coisas. Há, também, um vestígio da descrença de que o mundo possa alcançar um equilíbrio após tantas guerras e violência. Assim ela escreveu “Vietnã”, “O terrorista, ele observa”, “Primeira foto de Hitler”, “Torturas”. Em “Ocaso do século”, reafirma a escuridão dos fatos recentes: “Era para ter sido melhor que os outros o nosso século XX./Agora já não tem mais jeito,/os anos cortados,/os passos vacilantes,/Coisas demais aconteceram,/que não era para acontecer,/e o que era para ter sido/não foi.” A maioria de seus poemas são narrativos e contam uma história, não dando ao leitor nenhuma solução confortável para cada desfecho. Como no final de “Ocaso do século”: “Como viver – me perguntou alguém numa carta,/a quem eu pretendia fazer/a mesma pergunta./De novo e como sempre,/como se vê acima,/não há perguntas mais urgentes/do que as perguntas ingênuas”.

Apesar de não possuir um estilo engajado, Szymborska afirmou em entrevista ao jornal espanhol El País que “tudo é política, inclusive os poemas não políticos”. Perguntada sobre a possibilidade de se escrever poesia após Auschwitz, numa alusão à célebre frase de Theodor Adorno, a poeta refutou: “Adorno não tinha razão, e isso posso comprovar pessoalmente, porque vivi mais de vinte anos depois de terminar a guerra. Nesse tempo houve poetas nada desdenháveis que escreveram poemas nada desdenháveis. Se esse trabalho tivesse carecido de sentido, para que haveria servido?”. A poeta polonesa era filha de sua época, como aludiu no poema de mesmo nome em que entrevê que todo acontecimento vem carregado de um posicionamento: “Somos filhos da época/e a época é política./(...)/O que você diz tem ressonância/o que silencia tem um eco/de um jeito ou outro políticos./(...)/Não precisa nem mesmo ser gente/para ter significado político./Basta ser petróleo bruto,/ração concentrada ou matéria reciclável”.

A presença do mundo natural está presente em seus escritos, como no poema “Conversa com a pedra”: “Bato à porta da pedra./- Sou eu, me deixa entrar./Quero penetrar no teu interior/olhar em volta,/te aspirar como o ar./”. Neste poema, Szymborska afirma que falta a ela “o sentido da participação” para verdadeiramente dialogar com a pedra. É que no universo da polonesa, os bichos, as plantas, as nuvens, as pedras possuem a mesma medida da vida humana. Segundo sua visão, casualmente nasceu humana mas poderia ter sido árvore, ou um grão de areia. Não enxergar a natureza e os objetos de maneira superficial, atribuindo-lhes sentido, faz com que a poesia de Wislawa Szymborska adquira um tom existencialista. A própria poeta respondeu sobre essa questão: “Não cultivo nenhuma grande filosofia, só uma modesta poesia. (…) Gostaria que o poema contivesse o sublime e o trivial, as coisas tristes e cômicas – lado a lado, misturadas.”

Poemas foi a primeira antologia organizada com textos de Wislawa Szymborska no Brasil – uma compilação de sua poesia escrita de 1957 a 2002. O sucesso entre crítica e leitores foi tanto que a Companhia das Letras lançou outra coletânea em 2016, chamada Um amor feliz. A polonesa se tornou uma das poetas mais queridas do público brasileiro. A partir do segundo semestre de 2018, os leitores brasileiros aficionados por Szymborska podem comemorar novamente. A Editora Âyiné apresenta um livro que revela o lado bem-humorado de sua escrita, com poemas de humor junto à colagens feitas pela poeta. Em 2019, a mesma casa editorial também publica a biografia da polonesa escrita por Anna Bikont e Joanna Szczęsna cujo título provisório é Quinquilharias do passado. São publicações que nos oferecem um panorama mais completo sobre sua vida e poesia.

Falecida em 2012 na Cracóvia, Polônia, Wislawa Szymborska nos deixou uma poesia que amplia nossa visão sobre a existência e nos interroga sobre a utopia, a esperança e até sobre o funcionamento das estrelas. Em “A alegria da escrita”, a poeta polonesa confere à escrita seu legado sobre nossos séculos de ruínas: “A alegria da escrita./O poder de preservar./A vingança da mão mortal”.

Ligações a esta post:

*** 

Fernanda Fatureto é autora de Ensaios para a queda (Penalux, 2017). Bacharel em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero. Estreou em 2014 com o livro de poemas Intimidade Inconfessável (Patuá, 2014). Possui poemas em revistas literárias do Brasil e de Portugal.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os segredos da Senhora Wilde

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Boletim Letras 360º #327

Boletim Letras 360º #328

Boletim Letras 360º #325