Postagens

Mostrando postagens de Abril 30, 2018

Da ponte do acaba mundo, no erro de um relâmpago: Naveganças em três linhas, de Tarcísio Bregalda

Imagem
Por Guilherme Mazzafera


O quarto livro do poeta Tarcísio Bregalda é marcado pela promessa de uma ambiciosa síntese poética: conjugar, sempre em três versos, uma vasta amplitude de experiência. A não adoção de metros fixos permite a obtenção de diferentes ritmos, ora mais tensos e harmônicos, ora mais frouxos e dissonantes, o que, a despeito dos resultados diversos, incute certo dinamismo na leitura dos mais de 80 poemas que compõem as Naveganças em três linhas (Adonis, 2014).
Os leitores dos livros anteriores de Tarcísio (Os riscos das margens, 1997; Itinerau, 2011; e O pensar pelos barrancos, 2012) já conhecem algumas das pequenas obsessões do escritor: a Serra da Mantiqueira, os alpendres mineiros, as contínuas homenagens a seus anjos tutelares e, sobretudo, à poesia ela mesma. Todas comparecem aqui, de modo que é possível ler Naveganças como súmula, sempre provisória, de uma obra em constante refazimento, em que o reaproveitamento de versos, estrofes e até poemas inteiros de uma co…